THE OFFSPRING – Let The Bad Times Roll

Teoricamente, uma banda punk mais eficiente poderia ter se formado, dividido e feito shows de reunião no tempo em que o 10º álbum do The Offspring, Let The Bad Times Roll, viu a luz do dia.

Muita coisa aconteceu desde que os robustos californianos lançaram seu último álbum, Days Go By, em 2012, com tudo, desde incertezas quanto ao selo, questões de formação, subsequentes disputas legais, uma pandemia global e a vida se interpondo no caminho.

Considerando o fato de que seu primeiro single, Coming For You, saiu há seis longos anos, a banda teria sido perdoada por pensar que o processo estava condenado e desistir de que essas músicas fossem lançadas. Depois de quase quatro décadas juntos, o vocalista Dexter Holland e o guitarrista Noodles dificilmente precisam fazer isso, afinal de contas, finalmente, eles ainda estão aqui. Apesar de seu sucesso comercial frequentemente esquecido, mas estupendo ao longo dos anos 90 e início dos anos 2000, a banda punk mais subestimada da América está de volta para mais uma rodada de desafiar as probabilidades.

O produtor Bob Rock (Metallica, Bon Jovi) está de volta ao console pela terceira vez, e as primeiras impressões são de que, apesar das circunstâncias desafiadoras da conclusão do álbum, quanto mais as coisas mudaram, mais elas permaneceram as mesmas.

O membro fundador Greg K pode ter sido demitido no baixo e substituído por H20 Man e guitarrista em turnê Todd Morse, mas conforme a agitação de This Is Not Utopia se apressa, The Offspring volta no tempo, contra a mentira de ‘The American Dream’. Da mesma forma, a faixa-título combina uma melodia caracteristicamente alegre com humor negro sobre como tudo parece ser uma porcaria, oscilando habilmente entre a natureza inatamente lúdica da banda e disparando missivas pungentes.

Até agora, tudo bem então. É uma lição reforçada pela maior parte do álbum, na verdade. Apesar – ou talvez apesar de – seus anos de avanço, The Offspring não mostra sinais de desaceleração ou crescimento gracioso. Há um estalo e mordida sobre Behind Your Walls, enquanto Army of One chacoalha com um fogo agradável de Dead Kennedys-encontra-Fear em sua barriga, e Breaking These Bones mantém a intensidade no nível e ritmo certos.

LEIA MAIS  BODOM AFTER MIDNIGHT - Paint The Sky With Blood

Onde Let The Bad Times Roll provavelmente irá dividir opiniões é no ponto médio, com três faixas da já mencionada arrogância musical do gol de hóquei no gelo de Coming For You, o encadernador, cover agitada do clássico orquestral maligno In The Hall Of The Mountain King e mais de We Never Have Sex – que deixa tão pouco à imaginação quanto o título sugere. Flertando, como sempre, com a novidade, Let The Bad Times Roll é o The Offspring como sempre foram, sem desculpas, enviando-se tanto quanto abordando questões realmente muito sérias, como a crise de opióides (The Opioid Diaries).

É duvidoso se alguém precisa de uma balada de piano do Offspring em sua vida, especialmente uma que carregue um leve sopro melódico de Gary Jules ‘Tears For Fears’ Mad World (ou, na verdade, a versão de Five Finger Death Punch de um dos maiores sucessos de Offspring), mas é aí que o recorde termina em Gone Away Requiem, exceto pelo epílogo de um minuto de duração breve de Lullaby, reprisando o refrão da faixa-título. Isso é mais uma questão de gosto pessoal do que um reflexo do trabalho que a banda fez como um todo, e o quanto você pode tolerar as mudanças tonais ocasionalmente dissonantes determinará seu desejo de revisitar o álbum. Para a maior parte de seu tempo de execução, Let The Bad Times Roll representa um retorno bem-vindo de uma banda que, sem dúvida, torna o mundo ainda mais brilhante com sua presença.

AUTOR: David McLaughlin
FONTE: https://www.kerrang.com/

guest
0 Comentários
Sugestões
Veja todos os comentários