SULLY ERNA – Avalon, 2010

Avalon é o primeiro álbum de estúdio de Sully Erna, vocalista do Godsmack, lançado em Setembro/2010 (e que levou quase sete anos para ser concluído). Engana-se quem pensa em ouvir por aqui algo parecido com o som de sua banda. Pelo contrário, Erna usou tambores de mão, violoncelos, flautas e piano nas gravações deste álbum, tornando-o muito diferente de sua assinatura sonora com o Godsmack. “Este é um projeto para obter um tipo de música diferente, do que eu sinto que está dentro de mim, e não sobre qualquer expectativa sobre como será o seu sucesso ou de como será isso nas rádios”, declarou o músico.

E Erna está certo. Avalon é um grande acústico, sereno, diferente, quase exótico. Por vezes, seu vocal aqui lembra muito o de Serj Tankian, do System of the down (só ligeiramente mais agudo). A faixa título abre o álbum com tudo isso, além de nos apresentar sua back-vocal, Lisa Guyer, cuja participação é muito proveitosa também. “7 Years” tem uma participação maior de Lisa nos vocais, e uma junção maneira entre violinos e riflis de guitarra, durante os quase 8 min de música. O destaque em “Broken road”, além da combinação piano/Erna, fica por conta de sua hibridez. A faixa começa lenta, e evolue um pouco, embora sem mais do que isso.

“Sinner’s prayer”, o 1º single divulgado, é um show à parte, digna de ser considerada o ‘épico’ do álbum (apesar da curta duração). Tem de tudo. Explosão vocal da dobradinha Erna & Lisa, coral, solo (mais uma vez) dos violinos. Realmente, uma das melhores faixas. Sobre as baladas, é difícil identificar-se uma delas em um álbum ‘acústico’. Acho que posso dizer que achei isso em “My light”, sobretudo pelo (sensacional) acompanhamento de palmas perto do final. Destaque também para as flautas, que fazem aqui sua estréia no álbum. “The rise” é uma faixa predominantemente instrumental, a cargo de Lisa no vocal principal. Não me empolgou.

Erna volta em “Until then…”, outra balada em Avalon, e outra das minhas preferidas. Linda canção também, devido principalmente à combinação vocal, piano & violinos. “The departed” tem uma batida de tambores maneira, mas também não me empolgou. “Eyes of a child” me é outro destaque. Digamos que é a que mais se aproxima do som do Godsmack, enfim, a mais “pesada” do álbum. É uma híbrida perfeita, do começo ao fim. O encerramento fica por conta da curta instrumental “In through time”, nada mais é do que outra mais do mesmo.

Foi uma melhores viagens sonoras que eu tive o prazer de ouvir esse ano. Erna atualmente vem se desdobrando entre a divulgação de Avalon, notadamente em rádios americanas e entrevistas, & a recente turnê do Godsmack, a The Oracle Tour.

Autor: Victor “Montanha” Vieira

guest
0 Comentários
Sugestões
Veja todos os comentários