Rob Flynn: “shows do Machine Head talvez não irão continuar até 2022”

21 de Abril de 2020

Apesar de ter datas de turnê marcadas para o final deste ano para comemorar o 25º aniversário de ‘Burn My Eyes’, o líder do Machine Head, Robb Flynn, não acredita que o setor de música ao vivo retorne ao normal tão cedo, logo após a pandemia de coronavírus.

Dando sua opinião detalhada sobre o impacto do COVID-19 na música por meio de seu blog, ‘The General Journals: Diary of a Frontman… And Other Ramblings’, Robb diz que acha que “nós, fãs de metal, também seremos os mais afetados por essa pandemia” – a razão é que “nós somos o único público que geralmente luta para viver de salário em salário”.

“É difícil aceitar o tamanho de algo assim, mas quanto antes pudermos entender o assunto, melhor estaremos”, escreve ele. “Essa noção falsa de que em apenas alguns meses voltaremos aos negócios é boa para dar uma passadinha no Facebook, mas ruim para fazer planos realistas. Eu mesmo fui capaz de manter uma mentalidade muito mais positiva, sabendo que os shows do Machine Head provavelmente não serão retomados até o verão de 2022 e que provavelmente não voltaremos totalmente aos trilhos até 2024, se algum dia voltarmos aos trilhos!”.

Com isso em mente, Robb especula sobre o que o futuro reserva e como as pessoas “descobrirão outras maneiras de pagar as contas”, continuando que os da indústria da música (‘negócios de gravação, equipe, promoção etc.’) “o mais provável é que mudem completamente de emprego e faça outra coisa pelo resto de suas vidas. É claro que isso acontece quando a indústria fonográfica sofre outro golpe. Boates, locais, promotores, muita vida como a conhecemos… tudo será dizimado. Veja todos os festivais da Europa que já foram cancelados”.

LEIA MAIS  Judas Priest oferece nova atualização de álbum: "As novas músicas soam fantásticas"

O líder acrescenta que espera estar errado sobre esse período de tempo estimado, mas alerta os leitores: “Não pense três meses à frente, pense três anos à frente”. Em uma nota mais positiva, porém, ele conclui: “Isso não é só desgraça e tristeza. Eu acredito firmemente que o mundo será um lugar muito melhor quando tudo isso acabar. Este é o nosso momento de transformação. Este é o nosso momento de re-imaginar o mundo, re-imaginar nossas vidas. Este é o nosso momento para o gigante botão Reset aparecer no céu. Abrace o caos.

FONTE: https://www.kerrang.com/

guest
0 Comentários
Sugestões
Veja todos os comentários