“Ritus Movedissus” é o álbum de estreia da banda tocantinense “em agosto chove”

Essências movediças em expansão, corpos e ideias que mudam de forma e significado: em agosto chove não é uma banda, é um grupo colaborativo de rock alternativo surgido no final de 2019 em Palmas, formado por 7 jovens que mesclam sonoridades, em contínua experimentação.

Unindo ideias, exploram timbres, efeitos, tempos e contratempos, na busca de ultrapassar limites particulares e coletivos, físicos e mentais.

Ritus Movedissus, lançado nesse sábado, 7 de agosto, é a materialização das propostas filosóficas e sonoras experienciadas pelo grupo durante 2 anos, antes e durante o isolamento social. Com a proposta de desafiar o ouvinte a expandir a mente e mergulhar em questionamentos febris, o disco conta com 9 faixas gravadas por diferentes integrantes, em casa e em estúdio, sendo finalizadas no Estúdio Blackbird e lançadas pelo selo independente Wheels Of Confusion Records.

Multi-instrumentistas, eles se revezaram para registrar as 9 canções em contexto pandêmico, enfrentando o desafio de transmitir a atmosfera densa e dinâmica de músicas nascidas de jam sessions, longos ensaios e improvisos. Amigos de longa data, a forte conexão que desenvolveram através da música e de trabalhos espirituais compartilhados transborda na pouco mais de meia hora de duração do disco.

“Ritus Movedissus é a síntese da descoberta alquímico-sonora que fizemos ao longo de 2 anos. Uma viagem ao centro do som, onde tempo, espaço e tonalidade se dissolvem na mais pura experiência do ser” comenta Luís “O Alquimista”, um dos integrantes.

LEIA MAIS  Finlandeses do Rotfang and the Reptilians lançam explosivo debut single "Breakneck"

Trazendo experiências astrais, percepções alteradas de tempo, morte e vida, questionamentos sobre Deus e o universo, além de tantos outros assuntos filosóficos e espirituais, o disco é o retrato de constantes transformações, rituais e consagrações. É celebração de amizade, irmandade e do amadurecimento que perpassa a autodescoberta da criação artística coletiva.

“O álbum enfim realizado é uma amostra riquíssima da sonoridade de todos os integrantes. Muito daquilo que foi tocado no meu estúdio jamais será feito de novo. Talvez seja essa a essência retratada no nome da banda: em agosto chove raramente, mas é certo que esse ano choverá” profetiza MamedKarin, padrinho da banda e pai do baterista.

O grupo em agosto chove é Iury Grooveman, Gabriel Worm, Luís “O Alquimista”, Lucas Andrade, Luzo Cairo, Antonio Karin, Caio Cesar e toda a rede de apoio que acompanhou e atuou ativamente no processo do disco.

FONTE: Krema Cultura

guest
0 Comentários
Sugestões
Veja todos os comentários