RIO ROCK & BLUES FESTIVAL – Circo Voador, RJ (23/10/2010)

O palco do Circo Voador recebeu sábado (23) a última noite do Rio Rock & Blues Festival que rolava desde o dia 13 de outubro. Apesar da chuva repentina, nada disso impediu de o público comparecer e prestigiar as bandas que tocaram neste dia. A platéia se dividia entre todas as idades, todo mundo curtindo junto o bom e velho rock and blues. Ninguém ficou parado e quem assistia aos shows se entusiasmava e vibrava junto com as guitarras bluseiras, e claro com as gaitas incandescentes. Não dava para não sentir o feeling do blues e suas emoções tristes e melancólicas. Em cada acorde soava um sentimento ímpar e em cada compasso arrastado as pessoas que acompanhavam os shows eram levadas ao um delírio total.

O grupo que abriu a bela noite bluseira foi o Memória Virtual, no repertório muitos clássicos do blues e do jazz e uma homenagem maravilhosa a rei Ray Charles. Em vários momentos quem estava assistindo ao concerto pode acompanhar as inúmeras vezes em que eles tocaram algumas canções de Ray como, por exemplo, a clássica Georgia On My Mind. A intenção dos músicos era dar uma amostra do que rolou no show do Vivo Rio, no qual foi gravado um cd de tributo a Ray Charles uma pequena reverência que eles fizeram ao rei do jazz. Quase no final da apresentação Big Gilson foi convidado para uma canja com o pessoal do Memória Virtual que fez a galera vibrar.

E para dar um tom mais blueseiro para a chuvosa noite de sábado o Blues Etílicos detonou no palco recheando a platéia com o mais puro sentimento do blues. Não tinha como ficar sentado ouvindo a banda tocar tinha que ficar bem pertinho dos músicos para poder sentir a vibração das guitarras tristes e ouvir quase de pé do ouvido a gaita cheia de sentimento de Flávio Guimarães. O grupo brasileiro veio para provar que tal estilo tem público no Brasil sim, quebrando todo um padrão cego que em terra Tupiniquins blues não rola. Rola sim.

E para fechar o festival com chave de ouro Alvin Youngblood Hart que é considerado o herdeiro espiritual do bluesman Howlin’ Wolf, transformou o Circo Voador em um digno templo do blues. Músico de renome Alvin faz muito sucesso pelo mundo e já teve muitas canções gravadas por rockstars famosos como Eric Clapton e Mick Taylor. Não foi à toa que Youngblood foi o escolhido para terminar o festival que durou dez dias e contou com muitos artistas blueseiros que tocaram tanto no Circo como no próprio Rio Rock & Blues Club. Foi uma verdadeira overdose e aula de blues para tirar o fôlego dos amantes de tal estilo.

Texto e Fotos: Milena Calado

guest
0 Comentários
Sugestões
Veja todos os comentários