POPPY – Flux

Dizer que a vida de Poppy está mudando nos últimos anos é um eufemismo tão considerável quanto ela popularmente.

Sua trajetória de carreira até agora tem sido fascinantemente errática, de estrela robótica da internet a nomeada de carne e osso ao GRAMMY, alcançada enquanto se libertava das influências controladoras em sua vida.

Mas e quanto à música em si? Isso justifica a mania? Você pode argumentar, é claro, que poucos álbuns conseguiriam tal façanha – e você estaria certo.

Mas também se poderia sugerir que o Flux faz algo mais importante: ele captura uma jovem de 26 anos recuperando sua carreira e marcando seu status como uma artista genuína – tudo por meio de um conjunto de canções excelentes.

É uma coleção coesa e bastante discreta também. Se há alguém que acha que Poppy não precisa, é atenção adicional, então se foram as grandes explosões de gênero do álbum anterior I Disagree, com seus desvios de choque do azedo para o doce e vice-versa. Em vez disso, o Flux é uma experiência mais singular e simplificada. Não é menos zangado, confuso, contemplativo como seu antecessor, é apenas mais refinado na forma como comunica essas emoções.

LEIA MAIS  BLACK VEIL BRIDES - The Phantom Tomorrow

Gravado na sala com sua banda, o estridente Lessen The Damage e o animado So Mean com uma intimidade de rock na garagem que lembra Jack Off Jill, uma banda que Poppy registrou para declarar uma parte central de sua audição formativa (e até mesmo coberto este ano).

Existem outras evidências de uma educação musical diversificada também. As guitarras tortuosas e os drones sonhadores de Hysteria e As Strange As It Seems confirmam uma predileção por My Bloody Valentine, resultando em músicas que lentamente intoxicam o ouvinte em vez de bombardeá-los até a submissão ou enredá-los com sacarina como no passado.

A mais adorável de todas é a faixa de encerramento Never Find My Place, que confirma que essa iteração do som de Poppy é parte da jornada, e não um destino permanente. Depois de um álbum tão emocionante e interessante, será fascinante ver para onde ela vai a seguir. Não queira que sua vida vá embora, reserve um tempo para admirar a música que temos aqui e agora.

AUTOR: James Hickie
FONTE: https://www.kerrang.com/

guest
0 Comentários
Sugestões
Veja todos os comentários