PHIL CAMPBELL AND THE BASTARD SONS – We’re The Bastards

Diante do horror de uma pandemia global e da falta de oportunidades de turnê, a maioria dos músicos foi forçada a ficar em casa e escrever novas músicas, tanto que é provável que 2021 testemunhe uma verdadeira avalanche de álbuns de todas as bandas do planeta.

Phil Campbell and The Bastard Sons estão alguns passos à frente do grupo. Reparando em seu próprio estúdio durante os primeiros dois meses de bloqueio, eles passaram o início do verão escrevendo e gravando seu segundo álbum. O resultado é um grande álbum com 13 faixas de hard rock honesto e bom e que se baseia na estreia da banda, The Age of Absurdity de 2018.

Com toda a honestidade, seria fácil para o ex-guitarrista do Motörhead, Phil, revisitar o tipo de música que ele fez com sua antiga banda. Certamente a batida do dedo médio levantado de Destroyed (com o homem da Cro-Mags Harley Flanagan nos vocais de apoio) poderia facilmente ter cabido em um álbum clássico do ‘Head como 1916. E ainda assim, We’re The Bastards é muito mais do que uma repetição passo de glórias passadas.

Embora os Bastard Sons tenham começado como uma banda de pick-up party e apresentassem os filhos de Phil – Todd na guitarra, Dane na bateria e Tyla no baixo – ao lado de seu amigo Neil Starr nos vocais, desta vez a composição das músicas foi compartilhada mais uniformemente entre os membros da banda, permitindo uma mistura de influências que são tão contemporâneas quanto clássicas. Além disso, as lições aprendidas com os episódios de turnê no estilo “pegue a van” permitiram que o som da banda se solidificasse ainda mais, várias faixas soando como se fossem projetadas para o máximo impacto ao vivo.

LEIA MAIS  AC/DC - Power Up

A faixa-título abre o processo de forma feroz com Neil elogiando o poder redentor da música, a faixa agindo como um clarim para o álbum como um todo. Embora existam momentos de hooligan, peso do martelo em oferta (Son of A Gun, a carnuda Animal e Keep Your Jacket On são exemplos importantes), os gostos de Born To Roam e Desert Song oferecem uma luz deliberada e sombra, ambos com uma sensação de rock neo-sulista em alguns lugares. A faixa final do álbum, Waves, mostra a turba de Campbell se despedindo de uma forma incomum com uma balada inesperada e comovente.

Em última análise, We’re The Bastards confirma que a equipe de Pontypridd encontrou sua própria identidade. Embora o quinteto passasse a maior parte do verão tocando em festivais sob a bandeira de “Phil Campbell and The Bastard Sons Play Motörhead”, essa ideia parece quase redundante agora. Como todas as outras bandas, eles estão claramente ansiosos para sair e tocar novamente. Armados com dois álbuns cheios de material de qualidade, eles poderão fazer isso em seus próprios termos.

AUTOR: Phil Alexander
FONTE: https://www.kerrang.com/

DEIXE SEU COMENTÁRIO: