Paul Stanley esclarece comentários de “viciado” que fez sobre o produtor do KISS

O guitarrista e co-vocalista do Kiss, Paul Stanley, na semana passada (2 de julho) se desculpou por dizer que Bob Ezrin, o produtor por trás do álbum Destroyer, era um “viciado em funcionamento” ao fazer o álbum.

O músico faz a observação “viciado” no documentário KISS de duas partes da A&E, Biography: KISStory, que estreou na rede a cabo no mês passado (27 a 28 de junho).

Além dos comentários de Stanley, o documentário apresenta uma visão do colega co-fundador do KISS Gene Simmons e outras entrevistas com Dave Grohl, Tom Morello, o empresário do KISS Doc McGhee e o próprio Ezrin.

Mas depois que KISStory foi ao ar pela primeira vez, Stanley seguiu o desejo de expiar online o que ele indicou ser uma gafe de conversação, enquanto lembrava a realização do influente álbum de rock – o LP que gerou singles memoráveis ​​do KISS, como “God of Thunder”, “Detroit Rock City” e “Beth”.

“Palavras doem”, Stanley tuitou. “Em nosso documentário, falei de meu querido amigo Bob Ezrin como um ‘viciado em funcionamento’ enquanto fazíamos Destroyer. O impacto dessa palavra se perdeu em mim. Embora não fosse intencional, a mágoa e o estigma associados são de longo alcance. Essa declaração era imprecisa, não é verdade e eu falei mal”.

Depois de Destroyer, Erzin voltou a lidar com a produção de KISS ‘Music From “The Elder” (1981) e Revenge (1992). O produtor também é conhecido por seu trabalho com outras bandas de rock como Aerosmith, Deep Purple, Deftones, Pink Floyd e Lou Reed.

Em 2016, Stanley disse à Rolling Stone que a fabricação de Destroyer foi uma “época gloriosa e emocionante porque [Erzin] era o conselheiro do acampamento, o diretor do acampamento. Ele usava um apito pendurado no pescoço e nos chamou de campistas. Você tem que entender isso, a essa altura, nos víamos muito como ‘estrelas do rock’ e não aceitávamos merda de ninguém. Mas fechamos os lábios e mordemos a língua com Bob. Ele era a voz da experiência e claramente sabia mais do que nós”.

LEIA MAIS  O podcast "Backstaged: The Devil In Metal" mergulha na vida e morte de Ronnie James Dio

O roqueiro do KISS acrescentou que pensava em Erzin “como um mentor, e ele realmente elevou a barra para nós em termos de letras. Até então… estávamos escrevendo músicas do tipo ‘foda-me, chupe-me’. Bob não queria nada disso. Ele queria mais uma experiência da psique e da mentalidade da juventude e o que éramos, em oposição à fisicalidade disso. Ele rejeitaria as letras e nos mandaria de volta”.

O KISS participa da última etapa da turnê mundial End of the Road nos Estados Unidos no final deste verão. No mês passado, a banda emprestou seu nome para uma libação com o nome de sua música “Cold Gin”. Antes disso, Stanley ponderou que ator deveria interpretá-lo no próximo filme biográfico do KISS, um projeto de filme separado do KISStory.

FONTE: https://loudwire.com/

guest
0 Comentários
Sugestões
Veja todos os comentários