OZZY OSBOURNE – Ordinary Man, 2020

21 de Fevereiro de 2020

Há um caso em que Ozzy Osbourne opera melhor de costas para a parede. Em 1980, o cantor transformou sua expulsão do Black Sabbath em uma carreira solo redentora. Três anos depois, ele resistiu à morte do guitarrista talismã Randy Rhoads para fazer Bark At The Moon.

Agora, após a queda do ano passado, shows adiados, cirurgia no pescoço e diagnóstico de Parkinson, ele tem uma opinião séria sobre sua fábrica e um décimo segundo álbum que sai das cordas balançando.

Ao ler as poucas frases sonoras promocionais de Ozzy, você espera que o Ordinary Man [homem comum] pareça exausto, como um cão infernal açoitado até a morte (“Eu estava dizendo ‘não tenho mais forças, caralho’), mas Andrew [Watt, produtor] tirou isso de mim”).

Você nunca adivinharia. Seus vocais são alegres e felinos, e essas 11 músicas são cheias de propósito, começando com a música crocante e direta ‘Straight To Hell’. “Eu vou fazer você gritar”, ele promete. E mais preocupante: ‘vou fazer você defecar’. Felizmente, não, mas outras funções corporais podem ser afetadas por esse álbum visceral e emocionalmente nu.

A ‘Eat Me’ tem o riff mais difícil do álbum e uma letra agradável e literal (‘Minha carne é agradável e macia’). ‘Today Is The End’ começa como o primo desajustado de ‘Enter Sandman’, antes que os instintos melódicos de Ozzy adociquem. O intervalo instrumental da ‘Holy For Tonight’ é puro Beatles, assim como a balada do título, com Elton John fazendo cócegas no marfim e levando o segundo verso.

Alternando entre versos tempestuosos e uma seção de tempo duplo do whipcrack, a ‘Goodbye’ de cinco minutos parece o ponto de apoio do álbum, um dos muitos momentos abertamente prejudiciais (“acabou, muito, muito tarde para voltar agora”). Mesmo assim, o humor de Ozzy permanece intacto, a música termina com uma chaleira assobiando e ele perguntando: “Já é hora do chá? Eles servem chá no céu?”. Ozzy admite se perguntar: “Quem diabos é Post Malone?” quando incentivado a trabalhar com o rapper de Nova York. Mas ‘It’s A Raid’ é um punk de garagem brilhante, um Ozzy sem idade furiosa e xingando como se tivesse acabado de sair do matadouro por volta de 1968.

LEIA MAIS  EPICA - Omega

Uma vergonha a segunda conexão com Post Malone, ‘Take What You Want’, com o rapper convidado Travis Scott dominando os vocais e as batidas eletrônicas geladas estremecendo horrivelmente. Se esta é a canção de cisne de Ozzy [NT: última da carreira] – e essas letras, o avanço da idade e a taxa de trabalho pós-milenista sugerem que isso não é inconcebível – então, como o ’13’, do Black Sabbath, é um fim crível para uma carreira extraordinária. Mas se a história nos ensinou alguma coisa, é nunca menosprezá-lo.

AUTOR: Henry Yates
FONTE: https://www.loudersound.com/

guest
0 Comentários
Sugestões
Veja todos os comentários