Ouça a última música que Kurt Cobain cantou no último show do Nirvana

Quando Kurt Cobain bateu na porta do camarim dos Melvins em Munique na noite de 1º de março de 1994, Buzz Osborne inicialmente presumiu que o frontman do Nirvana estava apenas fazendo uma ligação de cortesia.

Cobain convidou pessoalmente seus amigos de Montesano, Washington para abrir para o Nirvana na perna europeia de sua turnê In Utero, e, após o show, Cobain costumava aparecer para parabenizar o grupo por outro trabalho bem feito. Mas não esta noite.

Em vez disso, Cobain informou a Osborne que esta seria a última noite da turnê, já que ele queria sair do Nirvana, terminar seu casamento e voltar para casa. “Eu deveria apenas fazer este solo”, disse Cobain a Osborne. “Em retrospecto”, Osborne diria mais tarde ao escritor musical de Seattle Charles R. Cross, “ele estava falando sobre toda a sua vida”.

Dias antes, na Eslovênia, Cobain disse a seus não totalmente surpresos companheiros de banda Krist Novoselic e Dave Grohl que queria encerrar a turnê. Isso, ele foi informado, custaria ao Nirvana dezenas de milhares de dólares, já que a banda de Seattle não havia feito seguro de cancelamento da turnê, que estava programada para terminar em Dublin, Irlanda, em 8 de abril. “Então, se alguém morresse, ainda teríamos que fazer os shows?” Cobain perguntou sarcasticamente. A morte, o cantora foi informado, seria a única razão aceitável para desistir.

No palco do clube Terminal Einz de Munch na noite de 1º de março, a falta de entusiasmo e paixão de Cobain teria envergonhado um zumbi. Um corte de energia no meio do set só piorou ainda mais seu humor. Quando o show terminou, Cobain disse a seu agente de reservas para cancelar o próximo show. Dois dias depois, em um quarto de hotel em Roma, Cobain escreveu uma nota suicida – “Como Hamlet, tenho que escolher entre a vida ou a morte. Estou escolhendo a morte”- e tentou tirar a própria vida com uma overdose de analgésicos. A linha oficial dada à mídia mundial – e de fato aos seus companheiros de banda – foi que esta foi uma overdose acidental.

LEIA MAIS  Chaosfear quebrando regras e paradigmas em novo EP!

“Então Krist e eu pegamos o telefone”, Dave Grohl disse a Paul Brannigan da Classic Rock 15 anos depois. “E então alguém disse: ‘Ele está bem, só está em coma, não está morto’. Foi tão caótico e louco… foi tão estranho e surreal que 28 horas atrás eu estava saindo com essas pessoas. Mas então alguém ligou e disse que ele morreu, e eu perdi o controle, simplesmente perdi o controle.

“Ele voltou para casa e conversamos ao telefone”, lembrou Grohl. “E eu disse a ele: ‘Cara, Kurt, porra…’. Não contei a ele que alguém me contou que ele havia morrido, mas disse que estava apavorado e preocupado. E ele se desculpou muito, tipo, ‘Sinto muito, eu estava festejando e bebendo e não estava prestando atenção no que estava fazendo’. E eu disse: ‘Escute, não acho que você deva morrer!’, eu acho, bem, então, você sabe o que aconteceu…”.

Heart-Shaped Box, música número 23 no set-list do Nirvana em Munique, e o primeiro single de seu aclamado terceiro álbum de estúdio, In Utero, seria a última música que Kurt Cobain tocou no palco. Se soou cru e áspero na noite, após a morte de Cobain por suicídio em 5 de abril de 1994, soou comovente e desesperado em igual medida, imbuído de muito significado e muita dor.

FONTE: https://www.loudersound.com/

guest
0 Comentários
Sugestões
Veja todos os comentários