MYLES KENNEDY – The Ides of March

Muitas vezes somos informados de que a hora mais escura chega logo antes do amanhecer.

Inevitavelmente, muitos artistas optaram por morar na sombra, refletindo muito apropriadamente os tempos difíceis que temos vivido. Myles Kennedy, no entanto, está se voltando para a última parte da declaração, a sugestão de renascimento e prorrogação.

Embora The Ides Of March não seja excessivamente zeloso, é uma espécie de chamado para despertar, um convite para aproveitar ao máximo o que temos e abraçar um futuro que ainda se revela.

Como seu primeiro álbum solo, Year Of The Tiger de 2018, o vocalista super talentoso colaborou com o baixista Tim Tournier, o baterista Zia Uddin e o produtor Michael Baskette – mas aí termina a semelhança. Enquanto o lançamento anterior foi retirado e buscado pela alma, o novo é volumoso, dinâmico e definitivamente conectado. Abrindo em um swell de slide guitar, a combinação de Get Along e A Thousand Words quase poderia ter sido músicas do Alter Bridge, enquanto o primeiro single frontal igualmente completo In Stride nos implora para respirar e seguir em frente com foco renovado.

Todas são canções de rock positivas e vanguardistas – não exatamente desafiadoras de fórmulas, mas certamente edificantes. A faixa-título é um épico prog-inflamado que atrai o melhor dos músicos, antes de Love Rain Down fornecer uma pausa emocionante e bem-vinda. A música final do blues, Worried Mind, conclui com algumas batidas de notas surpreendentes, nos lembrando que Myles – aos 51 – continua sendo um dos melhores vocalistas do rock.

‘Vai ficar tudo bem de novo’, ele ronrona em Wanderlust Begins, e se você tivesse que escolher apenas uma linha para resumir este álbum, seria isso. Evitando a tentação fácil da autopiedade, o vocalista do Alter Bridge nos trouxe um pequeno fragmento de luz.

AUTOR: Steve Beebee
FONTE: https://www.kerrang.com/

guest
0 Comentários
Sugestões
Veja todos os comentários