Max Cavalera não mantém contato com seus ex-companheiros de Sepultura

Max Cavalera diz que não mantém contato com seus ex-companheiros de banda do Sepultura.

A formação clássica do Sepultura desmoronou em 1996 com a saída de Max após o resto da banda se separar de sua esposa Gloria, como empresária. Seu irmão, o baterista Igor Cavalera, ficou com o grupo por mais 10 anos antes de deixar o Sepultura e se juntar a Max no Cavalera Conspiracy.

Embora o Sepultura tenha mantido uma base de fãs obstinada em todas as partes do mundo ao longo da história da banda de mais de três décadas e meia, os álbuns da era Max “Roots” e “Chaos A.D.” foram de longe os de maior sucesso comercial do Sepultura, tendo ambos sido certificados ouro nos EUA por vendas superiores a quinhentos mil exemplares.

Questionado em uma nova entrevista ao “RRBG Podcast” se ele continua em contato com os caras do Sepultura há quase 25 anos desde sua saída da banda, Max disse (ouvir áudio abaixo): “Na verdade não. Quando [fomos para nosso] separado formas, é um pouco como – eu nunca me divorciei, mas presumo que assim seja um divórcio. Você realmente não quer ver sua ex-mulher e não quer saber com quem ela está namorando ou qualquer outra coisa. Então, eu realmente não os sigo. O que quer que eles façam, está tudo bem para mim, cara. Eu tenho tantas coisas para fazer, estou muito ocupado aqui que não preciso ficar olhando eles, medindo o que eles estão fazendo com o que eu estou fazendo. No final, eu acho que as coisas simplesmente aconteceram dessa maneira”.

“Estou muito orgulhoso do tempo que passamos juntos”, continuou ele. “Fizemos alguns discos magníficos, cara – coisas que influenciam as pessoas para sempre. Estou em contato com muitas bandas novas que realmente amam as coisas antigas – caras do Creeping Death e Necrot, eles sempre mencionam especialmente a era inicial [do Sepultura]: ‘Bestial Devastation’, ‘Morbid Visions’, ‘Beneath The Remains’, é claro, ‘Arise’. Então é legal saber que fizemos esses álbuns. Mas há muito mais a fazer”.

Em janeiro passado, o baixista do Sepultura Paulo Xisto Pinto Jr. disse que não teve contato “zero” com Max, acrescentando que o reencontro com o vocalista original da banda teria que acontecer “naturalmente”.

LEIA MAIS  Machine Gun Kelly e Travis Barker continuam trabalhando juntos em novas músicas

Em 2017, Igor Cavalera disse ao The Salt Lake Tribune que ele e Max “acreditam que o Sepultura não faz muito sentido hoje em dia, para fazer o que eles estão fazendo.” O baterista também minimizou a possibilidade de uma reunião da formação clássica do Sepultura, dizendo: “A menos que seja algo realmente sólido – e não vimos isso da parte deles – de fazer algo totalmente profissional e se unir, tentando fazer algo assim. No final do dia, seria especial para os fãs, então não é como uma porta fechada, mas ao mesmo tempo, não temos tempo para gastar energia com esse tipo de coisa. Então, vamos seguir em frente”.

Max ecoou os sentimentos de seu irmão, dizendo ao The Salt Lake Tribune que ele nem mesmo pensa muito em seus ex-companheiros de banda. “Por um tempo – por muito tempo – houve uma guerra na imprensa, tipo, ‘Ele vai falar isso, eu falarei aquilo’”, explicou. “Eu realmente cansei disso, honestamente. Eu não vou mais fazer isso. Então, deixe-os seguir seu caminho e fazer as coisas deles, e nós faremos o nosso, e acho que é o melhor para todos”.

Embora parando de descartar completamente uma reunião da formação clássica do Sepultura, Max disse: “No momento, nós nem mesmo precisamos disso. Tem sido tão desse tipo de vibrações ruins ao longo dos anos que eu nem sei como isso realmente funcionaria. Acho que o que [Igor e eu] estamos fazendo é a coisa mais próxima disso, e funciona muito bem, funciona como um encanto. É incrível”.

Igor e Max passaram grande parte dos últimos cinco anos comemorando o 20º aniversário do “Roots” do Sepultura e o 30º aniversário de “Beneath The Remains” e “Arise”, respectivamente, em turnê pelo mundo todo.

FONTE: https://www.blabbermouth.net/

DEIXE SEU COMENTÁRIO: