Marilyn Manson está preocupado com o impacto psicológico da quarentena

Em uma nova entrevista para a Consequence of Sound, Marilyn Manson falou sobre como a pandemia do coronavírus foi tratada e seu efeito na sociedade. Ele disse: “É um tanto assustador pensar, de certa forma, que nossos pais e seus pais passaram por tribulações e provações muito mais difíceis na vida, de guerras a depressão financeira e outras doenças que destruíram muitas partes do mundo e diferentes países, não apenas o nosso”.

“Para mim, é um raio de esperança que, possivelmente, se todos pararmos de nos preocupar em nos concentrar em elementos negativos de nossa cultura, em geral como americanos, podemos tentar nos unir o máximo possível. Não quero soar como John Lennon, apenas o conceito de que, se algum dia, pessoas de diferentes culturas e diferentes estilos de vida e diferentes idades e personalidades e sexo e raça e seja qual for o caso, até mesmo religião, agora seria a hora para… pelo menos concordar que todos nós precisamos tentar salvar isso juntos”.

“E se alguma coisa que eu fiz em um disco contribui para a saúde mental e felicidade pessoal de alguém de alguma forma, [isso seria bom], porque eu acho que é uma preocupação que realmente me preocupa é estar trancado em uma casa por tanto tempo pode realmente pesar na saúde mental de alguém”, continuou ele. “E isso é algo com o qual tenho lutado ao longo da minha vida. E, vindo de [alguém com] uma mãe que tinha esquizofrenia e coisas assim, que não foi diagnosticada por tantos anos, deve ser realmente difícil para pessoas que não recebem apoio e atenção adequados de que podem precisar de sua família ou do pessoal da saúde. Acho que isso é tão político ou possivelmente qualquer tipo de resposta inteligente que posso oferecer, se isso faz algum sentido, para mim em pelo menos, como observador e como participante também”.

LEIA MAIS  Apresentação da banda Guantas no Showlivre chega às plataformas de streaming

Marilyn Manson lançará seu décimo primeiro álbum de estúdio, “We Are Chaos”, em 11 de setembro, Via Loma Vista Recordings. Produzido pelo ganhador do Grammy Shooter Jennings (Brandi Carlile, Tanya Tucker) e Manson, o opus de dez faixas foi escrito, gravado e concluído antes que uma pandemia atingisse todos nós. A pintura Infinite Darkness de Manson, que pode ser vista na capa do álbum, foi criada especificamente para acompanhar a música.

“We Are Chaos” é a sequência do álbum de 2017 do Manson, “Heaven Upside Down”, que marcou sua sétima estreia consecutiva no Top 10 nas paradas de álbuns. Manson continua a se infiltrar na moda, no cinema e na música, deixando suas impressões digitais na cultura moderna. Saint Laurent o escolheu para uma campanha, Travis Scott o convidou pessoalmente para se apresentar no esgotado festival Astroworld, a GQ o nomeou um dos homens mais elegantes de 2019, ele apareceu como ator em tudo, de “Sons Of Anarchy” a “American Gods”, até “The New Pope “, e também co-estreou várias turnês de “Twins of Evil” com Rob Zombie.

FONTE: https://www.blabbermouth.net/

guest
0 Comentários
Sugestões
Veja todos os comentários