Lzzy Hale da Halestorm toca seus riffs favoritos de metal

Como alguém cria um riff ou um lead? O processo pode ser diferente dependendo do músico com o qual conversar, mas durante esta edição do Gear Factor da Loudwire, Lzzy Hale da Halestorm revela ao Squiggy da Music Experience que seus vocais desempenham um papel fundamental na maneira como suas partes de guitarra soam.

No meio de uma discussão sobre seus riffs favoritos, Hale mencionou “I Miss the Misery” e como foi um ponto de virada chave para ela de forma criativa. “O que eu amo em ‘I Miss the Misery’ é que decidimos fazer um tipo de riff melódico além do que foi combinado com meus vocais. Foi quando eu descobri que podia cantar e tocar ao mesmo tempo. Você aprende que pode se harmonizar e houve uma lâmpada que ocorreu em minha mente”, diz Hale.

Ela acrescentou: “O que eu preciso fazer é perseguir o que me deixa animado, em vez de tentar perseguir algo que faça todos pensarem que eu sou isso ou aquilo. Não vou ser Yngwie Malmsteen, mas o que eu posso ser sou eu “, diz o guitarrista cantor, que revelou:” Mesmo quando estou tocando, é baseado em coisas que posso cantar. Então, quando estou escrevendo riffs e escrevendo, está chegando do ponto de vista do vocalista … sempre fui um cantor muito mais natural do que guitarrista, então, em vez de pensar nisso como minha desvantagem, penso nela como minha arma secreta”.

Neste episódio, Hale também fala de sua educação musical, chamando a si mesma de “uma criança anormal” que estava entrando em Alice Cooper, Black Sabbath e Dio enquanto seus amigos estavam em TLC e Backstreet Boys. Ela credita seus pais por iniciá-la no hard rock e metal cedo, com o pai ensinando-a a tocar “Heaven and Hell”, do Sabbath, com o qual ela ainda consegue lidar muito bem.

LEIA MAIS  Alex Meister retoma carreira solo e anuncia lançamento de “Hard To Say Goodbye”

Mas sua mãe não queria que Lzzy pensasse que o rock era apenas para meninos, então um suprimento saudável de Joan Jett, Heart e Pat Benatar se seguiu. “Então você fica tipo, ‘Oh meu Deus, eu posso fazer as duas coisas.’ E a partir daí, é assim que eu operava, eu estava escrevendo minhas próprias músicas e eu comecei a mostrar os riffs do meu pai que eu tinha feito, então o que eu comecei a fazer foi que eu comecei a fazer esses pequenos shows e contar para a família Tipo, confira isso”.

Hale revela um dos primeiros riff que ela escreveu quando adolescente se transformou em “It’s Not You”, e deu a ela a confiança para continuar em tenra idade. “Quando eu comecei a fazer isso na adolescência, fiquei tipo ‘Bem, merda, quando é o mais rápido que posso começar a fazer isso com a minha banda?'”

FONTE: https://loudwire.com/

guest
0 Comentários
Sugestões
Veja todos os comentários