LIMP BIZKIT – Still Sucks

Fred Durst é um ‘Fredache’, de acordo com a conversa fiada de um lado para outro que compõe o ironicamente intitulado Love The Hate.

Seus raps ‘sugam como um saco de vácuo’. Ele é ‘o pior rapper branco que já existiu’, ‘com certeza não é nenhum Eminem’, e ‘parece que tem os púbis de Drake no queixo’.

“Você está me dizendo que escuta essa merda?”, pergunta um lado da equação. “Não realmente”, responde um nervoso Fred Durst. “Agora não. Mas, quando eu era criança”…

O Limp Bizkit está navegando em uma escala que só pode ser vista apropriadamente do espaço? sim. Mas o que há de novo? Como Fred diz no refrão: ‘Piada é pra você, você perdeu uma pista: Nós não damos a mínima / Pelo que vejo, você sempre dá.

Uma década desde seu último álbum, Gold Cobra, depois de incontáveis ​​falsos começos, ideias engavetadas, a redação de Oli Sykes de Bring Me The Horizon e Jordan Fish para tentar (e finalmente falhar) para fazer algo funcionar, e um mas descartado igualmente bom título em Stampede Of The Disco Elephants, Limp Bizkit está de volta da maneira mais Limp Bizkit possível.

Há uma obra de arte sabidamente terrível, uma estratégia de lançamento casual e o novo visual “Dad Vibes” de Fred que, vindo de um homem que uma vez declarou que também era conhecido pelo nome de ‘Urso Polar’, na verdade registra relativamente baixo no “patetômetro”.

Como se para deixar claro que o Bizkit está de volta a Bizniz, uma das primeiras coisas que você ouve é Fred gritando “DJ Lethal” enquanto a abertura Out Of Style muda para a marcha mais alta. Então, a gangue está toda junta. Em seguida, ele declara: ‘É hora de detonar esse filho da puta porque estou sempre fora de moda’, antes de acrescentar que, na verdade, sua banda é a melhor e que ‘Copiadores, vocês têm sorte de eu deixá-los ao meu redor’.

LEIA MAIS  BLACK VEIL BRIDES - The Phantom Tomorrow

A arrogância continua em Turn It Up, Bitch, em que seu decreto de que é ‘outra foda do Limp’ é aplaudido por um tiro. Mais tarde, ele bate no peito e anuncia que é o ‘Rei do nu-metal vindo do lixo’. O Limp Bizkit 2021 pode ser tão autoconsciente quanto auto-engrandecimento, mas muitas vezes isso significa simplesmente dobrar a si mesmo e, frequentemente, é absolutamente glorioso.

Quando eles param a brincadeira por um minuto, as coisas ainda estão boas. You Bring Out The Worst In Me oscila entre um groove suave e um nu-metal furioso e trêmulo, enquanto você curte a cover do INXS, Don’t Change quando estiver esgotado da Behind Blue Eyes.

Os odiadores vão odiar, mas, na verdade, essa iteração intencionalmente de meia-idade do Limp Bizkit é muito mais agradável e menos desagradável do que o seu eu mais jovem. Mas, mesmo assim, eles não perderam nada de sua energia, e as piscadelas de conhecimento apenas se tornaram maiores e mais inteligentes. O Limp Bizkit ainda é uma droga? Não importa, eles ainda são o Limp Bizkit que você ama. Ou, de fato, odeia. Não que eles se importem…

AUTOR: Nick Ruskell
FONTE: https://www.kerrang.com/

guest
0 Comentários
Sugestões
Veja todos os comentários