Led Zeppelin no ‘In The Studio’ para aniversário de Graffiti

O 45º aniversário do álbum “Physical Graffiti” do Led Zeppelin está sendo comemorado com um episódio online especial em duas partes do programa de rádio ‘In The Studio’ com Redbeard.

O apresentador disse isso sobre a parte I do especial: “No momento do seu lançamento em fevereiro de 1975, o sexto álbum do Led Zeppelin, Physical Graffiti, sinalizou uma mudança fundamental na equação da música e mídia popular que começou com o IV”.

“Com o Stairway to Heaven, o Led Zeppelin provou que o formato do álbum amadureceu a ponto de um single de sucesso do rádio Top 40 não ser mais necessário para grandes vendas de álbuns. Na época da gravação, a grande variedade de estilos dos quatro lados do Physical Graffiti, um single de sucesso nem sequer foi uma consideração para Page, o vocalista/letrista Robert Plant, o baixista multi-instrumentista John Paul Jones e o lendário baterista John Bonham.

No delicioso documentário de guitarra elétrica de 2008 It Might Get Loud, estrelado por Jimmy Page, fundador do Led Zeppelin, juntamente com The Edge do U2 e Jack White, finalmente temos um vislumbre da mansão inglesa conhecida como Headley Grange, imortalizada como o local da gravação do sexto álbum do Led Zeppelin, ‘Physical Graffiti’. Claramente, no filme, Page não pode conter seu prazer em voltar à cena da criação daquela quarta gravação icônica do Led Zeppelin, bem como do que se tornaria o inspirado álbum duplo Physical Graffiti três anos depois.

LEIA MAIS  Hamen celebra o fim de um ciclo com novo single e clipe

Para marcar o quadragésimo quinto aniversário desta magnífica obra em 16X de platina (!), O produtor/co-escritor Jimmy Page meticulosamente remasterizou a recompensa das músicas no original e as combinou com demos, músicas e versões inéditas das sessões do PG para uma edição verdadeiramente de luxo digna da descrição. Nesta entrevista para a primeira parte, Jimbo levanta a cortina do rapie Custard Pie, a brincadeira descolada Trampled Underfoot, o trovão estrondoso de The Rover, o tocador de dedos acústico “Black Country Woman” e o sussurro para gritar êxtase dinâmico de onze minutos de In My Time of Dying.

FONTE: https://www.antimusic.com/

guest
0 Comentários
Sugestões
Veja todos os comentários