Julico lança ikê maré em vinil pelo selo Limaia Discos

Ikê maré, o elogiado primeiro disco do Julico (The Baggios) foi um dos lançamentos mais importantes da música brasileira em 2020, com resenhas nos principais sites especializados e presente em ao menos 10 listas de melhores do ano (inclusive na lista da respeitada APCA, Associação Paulista de Críticos de Artes). Neste mês de fevereiro, o álbum chega em versão vinil de 180 gramas na cor verde azulado.

A pré-venda com valor promocional – até dia 12 de fevereiro – pelo site da Limaia Discos, selo fonográfico recém criado pelo próprio Júlio Andrade para o lançamento deste álbum. Conheça o selo aqui.

Mais de 60% dos vinis já foram vendidos, tanto para o público como para lojas de discos pelo Brasil. O vinil verde translúcido vem junto a um poster formato A2 de um emblemático clique de Victor Balde, que registrou todas as fotos oficiais de ikê maré.

Outros produtos relacionados ao disco solo de Julico estão à venda na Limaia Discos, todos desenhados pelo próprio músico e que dialogam com o impactante e colorido conceito de ikê maré. Tem ecobag, camisetas e quadros.

A palavra que dá nome ao primeiro disco solo de Júlio Andrade (vocalista e guitarrista do The Baggios), ikê maré, só existe – ainda – no imaginário do músico sergipano. Representa o tempo, com seus ensinamentos e ciclos: o músico idealiza e reflete sobre isso cercado pela natureza, em frente ao mar, e ali se perde na finitude da existência.

LEIA MAIS  Vince Neil do Mötley Crüe já está em casa depois de quebrar costelas em queda do palco

Ikê maré é, também, um estado de espírito, em constante transformação, a incessante busca por caminhos diversos na vida, conquistados a partir do conhecimento que o tempo oferece, pode ser pela arte ou pela convivência humana.

O conceito reverbera em música, entre 13 faixas, com a fusão do soul, do funk e psicodelismo da música brasileira. Uma fusão de vários ritmos e etnias e ikê maré é, mesmo, plural – tem também baião, desert blues e música folk.

A verve da música brasileira setentista dá o tom ao disco, explorando o swing e o groove. Aqui, Julico explora mais refrões do que versos e conta com participações de Curumin, Sandyalê, entre outros.

FONTE: Tedesco Comunicação e Mídia

guest
0 Comentários
Sugestões
Veja todos os comentários