Entrevista com Steevi Jaimz

Eu adicionei Steevi Jaimz, mais conhecido por ter sido o cantor no primeiro disco do Tigertailz, e mais recentemente por seu impressionante e último CD “My Private Hell”, muito antes de um dia eu imaginar que poderia ir à Inglaterra um dia. Assim que fiquei sabendo que teria a chance de ir ao Firefest este ano, e que antes de ir para Nottingham eu passaria alguns dias em Londres eu o contatei, e então poderia haver uma chance de poder encontrá-lo por lá de algum jeito, o que seria ótimo, pois admiro o seu trabalho desde que comprei o disco “Young And Crazy” do Tigertailz, quando foi lançado, em 1987.

E isso foi o que ele fez. Mesmo antes de deixar o Brasil rumo à Inglaterra, Steevi Jaimz me deu o seu número de telefone, para que eu pudesse contatá-lo assim que eu chegasse lá. Nós marcamos de nos encontrar no dia seguinte da minha chegada em Londres, e tivemos uma tarde maravilhosa, conversando sobre uma variedade de coisas, sobre suas experiências passadas com o Tigertailz, sobre os tempos em que morou nos Estados Unidos, sobre todas as coisas boas e ruins que lhe aconteceram até o momento. Também descobri que ele está doente (ele tem diabetes, e ele mesmo disse que não estava indo muito bem ultimamente), e isso realmente me deixou arrasado.

Todas as histórias que ele me contou eram tão fantásticas que eu então perguntei se ele não gostaria de dar uma entrevista – minha intenção era encontrá-lo como o grande fã que sou, e só mesmo para isso, assim como conheci o guitarrista Gerry Laffy, que uma vez fez parte da grande banda GIRL, que já teve Phil Collen do Def Leppard e Phillip Lewis do L.A. Guns em sua formação ( e ele também foi uma pessoa muito, muito legal – é incrível como as pessoas na Inglaterra podem ser tão gentis, agradáveis e amigáveis, diferente do que muitos daqui pensam… mas Gerry está fora do mundo da música há anos, hoje em dia ele é um empresário muito bem sucedido, e evita falar com a imprensa sobre música em geral. Quando ele disse isso, eu nem mesmo questionei uma possibilidade de entrevista, pois não queria de forma alguma estragar aquele momento, que foi também igualmente inesquecível, pois ele contou várias histórias que muitos matariam para publicar, mas que foram contadas para um grande fã, e não para alguém que escreve para algum site ou revista).

O que aconteceu então foi que esqueci o meu gravador no Hotel, e não pude então fazer a entrevista com o Steevi Jaimz. Ele imediatamente se ofereceu então para ir ao Hotel onde eu estava hospedado em outra hora para que eu pudesse fazer a entrevista com ele. Fiquei realmente lisonjeado por ele ter me tratado como um amigo de longa data, e ainda mais do que isso, não importou o quão doente ele estava, ele me encontrou duas vezes, e foi realmente surpreendentemente sensacional! É uma coisa que eu jamais esquecerei.

Rockzone: Eu gostaria de saber o que você tem a dizer sobre o início de sua carreira, como as primeiras bandas que você teve, como o Treason, o Crash KO, o Idol Threat e outros projetos… 

Steevi: Sim, o Treason e o Crash KO eram mais ou menos a mesma banda, e esses foram tempos muito bons. O Crash KO estava à frente de seu tempo. Quero dizer, isso era em 1981 ou 1982. Todos tínhamos cabelos louros e tingidos, e soávamos como nenhuma outra banda. Tínhamos um visual Glam, mas éramos uma banda de Heavy Metal, e o que escrevíamos não era aquela baboseira pegajosa, aquele som bobo, e foi uma época ótima. O guitarrista Marc, que está no Wrathchild agora, e eu cuidávamos da banda o tempo todo, e nós realmente deveríamos ter sido contratados por algum selo. O Idol Threat era uma banda cover que eu tinha, enquanto morei nos Estados Unidos, por seis ou sete meses. Fizemos muitos ensaios, mas não tocávamos. Acho que fizemos um show lá, abrindo para uma banda chamada Jag Panzer, que era mais uma banda de Trash. A banda antes do Idol Threat foi… qual era mesmo o nome?… China Rogue. Também era uma boa banda. Na verdade, provavelmente a melhor banda em que já estive. Acho que a China Rogue ainda deve ser lembrada, eles eram de Leicester, e soávamos como…. como posso descrevê-los? Eles também não eram Glam… não eram mesmo, entende? Nós éramos mais uma banda de Rock, não éramos uma banda de Heavy Metal, mas também não éramos definitivamente uma banda Glam. Na verdade, uma das músicas do álbum “Original Sin” do Tigertailz, que é “Now You’re On Your Own”, você a conhece, foi escrita pelo guitarrista do China Rogue e por mim, e ele pode dar uma idéia de como nossa música era.

Rockzone: E o que você pode dizer sobre seus dias no Tigertailz? O iníco, a história completa… a sua versão da história.

Steevi: eu acho que o início foi muito divertido, mesmo. Tudo acontecia em clubes pequenos, e nós trabalhávamos e tocávamos para melhorar a banda sempre, isso era final de 1985, começo de 1986, e nós tocávamos em todos os lugares, e começamos a fazer muitos fãs, você sabe, apenas fazendo o que gostávamos de fazer basicamente, e quanto mais tocávamos na época, mais pessoas apreciam para nos ver, devemos ter feito então muitos fãs, e isso foi meio como uma bola de neve até chegarmos onde chegamos. Tivemos algumas mudanças na formação da banda, e Ace (Finchum, baterista) entrou. Antes disso fizemos a demo “Shoot To Kill”, que virou um EP, e Ace está na capa, mas não o gravou. O baterista foi um cara chamado Steve Pierce, do Tokyo Blade. Fizemos tudo isso. E eu te contei sobre o cassete em que eu fingia ser ele nas fotos, naquela época isso não podia ser revelado. Sim, foi divertido até certo ponto. Acho que quando começamos a gravar o álbum foi o momento em que tudo começou a ficar uma grande bagunça. Eu bebia o tempo todo, e eu era realmente um cara bem desagradável com quem estar. Era meio que assim, aqueles três caras e eu. E para mim, já quase no fim, não era mais divertido. Fiquei de saco cheio de tudo, entende o que eu quero dizer? Acho que era por isso que eu bebia tanto, para escapar de tudo isso. Como eu disse, no começo era muito divertido, pois tínhamos o mesmo ideal. Quando conseguimos um contrato, surgiram coisas diferentes, nós tínhamos agendas diferentes e isso, para mim, não funcionava muito bem, entende? Eu não gostava de nada disso. Quero dizer, acho que todos os shows eram esgotados, pelo menos em quase todos os lugares que nós tocávamos. Mas era horrível. Aquela turnê foi horrível. A melhor época que tivemos como uma banda, quando estávamos indo realmente bem, foi quando tivemos duas noites esgotadas no Marquee Club na Wardour Street, e isso foi ótimo! Realmente ótimo! Foi o auge disso tudo. Mas olho para trás e vejo que foi realmente divertido. Mas olho para trás e, qual é mesmo a palavra?…. Eu não acho que tive muito a ver com isso, mesmo que eu tenha feito o meu nome nos anos oitenta com a banda. Não me orgulho disso, e não posso dizer que foi totalmente “excelente, divertido pra valer, blá blá blá…”, porque muitas vezes não foi, perto do fim, definitivamente não foi. Não tenho dúvida que eles estavam se divertindo, mas eu não estava, entende? Então foi melhor que tenha chegado ao fim, pelo menos para mim.

Rockzone: O que você pode dizer sobre ter deixado a banda?

Steevi: O Tigertailz?

Rockzone: Sim…

Steevi: Eu ia deixar a banda. Realmente não foi uma surpresa, entende? Na verdade eu descobri que estava fora da banda por um amigo meu, enquanto conversávamos sobre isso tudo em um bar, em Convey Street. Na verdade foi ele que me disse. Mas eu meio que sabia o que estava acontecendo de qualquer jeito. Eu fiquei puto por causa de todo o empenho que pus na banda, mas no final das contas, você sabe, quando a poeira abaixa, isso era inevitável. Isso iria acontecer, entende? E então aconteceu, e foi isso, de verdade. Sim, eu fiquei puto por um tempo por causa disso. Por um bom tempo, mas aí segui em frente para fazer minhas próprias coisas depois disso.

LEIA MAIS  Fusage: A revelação do rock nacional que você precisa ouvir

Rockzone: OK, então, essa é a minha próxima pergunta. Quais foram os seus projetos depois doTigertailz? Quero dizer, o EP “Kick That Habit”, o St. Jaimz… 

Steevi: Sim, logo depois disso eu consegui um contrato com a Collin Music e nós fomos para um estúdio em Leicester, acho que era o Cool Chapel Studios, e Scott Gorhan, obviamente do Thin Lizzy, estava produzindo o material, que resultou em um EP de três músicas. Ele apareceu e quis apenas se envolver na produção, acho que ele já estava um pouco cansado de tocar, entende? E foi ótimo! Foi ótimo fazer isso, sabe? Foi muito bom e essa foi a primeira grande coisa que fiz depois do Tigertailz e, você sabe, tudo começou a dar errado novamente, coisas diferentes aconteceram e, você sabe, eu sendo quem sou, eu queria mudar o tempo todo. Você meio que tem uma fórmula, você pode continuar com ela e eu continuei querendo mudar e, olhando para trás, eu deveria ter parado um pouco com isso, muito mais do que eu realmente parei, mas a vida é assim, entende? Você não pode ficar no mesmo lugar para sempre. Quero dizer, eu tinha vinte e sete anos, entende o que eu quero dizer? Eu só queria fazer o que eu fiz, e tendo essa idade você sempre acha que está certo. Ninguém mais está certo. Você está certo e eles, não.

Rockzone: E qual o álbum favorito que você já gravou?

Steevi: O favorito que eu já gravei? “My Private Hell”, sem sombra de dúvidas. Quero dizer, eu não entendi aquele primeiro álbum do Tigertailz, muitas coisas, a produção e todo o resto… para ser brutalmente honesto com você, ele não é um grande álbum. Ele tem “Shoot To Kill” e “Living Without You” que são boas músicas. Ainda acho que elas são boas músicas. Mas o resto dele, quero dizer, algumas das músicas nele, “City Kidz” e “Shameless” simplesmente não são muito boas, mesmo que eu também tenha as escrito. Não é um grande álbum mas vendeu muito bem na época. Acho que foi por causa do que estava acontecendo na música quando foi lançado, e muitas pessoas gostaram dele. Foi por isso que sempre quis fazer o “My Private Hell”, porque tenho orgulho dele. Foi algo que sempre quis fazer, e o fiz sozinho, não tive ninguém me dizendo “eu quero fazer isso, eu quero fazer aquilo…” e basicamente por isso fiz esse álbum. E realmente tenho orgulho dele. Eu nunca realmente tenho vontade de ouvir as outras coisas… eu nem mesmo as escuto, entende o que eu digo? Quero dizer, eu toquei “Shoot To Kill” e “Living Without You” quando nós fizemos alguns shows há algum tempo atrás, mas além dessas músicas, não consigo mais ouvir esse álbum…

Rockzone: Fale sobre as suas maiores influências e sobre os seus álbuns favoritos de outros artistas. 

Steevi: Meus álbuns favoritos… eu tenho um Top Five, mas não particularmente ordenado… meus álbuns favoritos, o meu Top Five…provavelmente… o que eu diria? Definitivamente o “Lights Out” do UFO! “Raunch ‘N’ Roll” do Black Oak Arkansas, Rush “Live” e “Diary Of A Madman” (Ozzy Osbourne) seja talvez o meu álbum de Rock favorito de todos os tempos. Eu adoro o primeiro álbum do Montrose. E também o primeiro álbum do Van Halen. Esses são os meus favoritos, meu Top Five. E quanto a influências, eu diria Ozzy, Jim Dandy do Black Oak Arkansas, David Lee Roth… quando eu estava crescendo, eles eram as minhas influências. Eu não acho necessariamente que eles sejam grandes cantores, e que eles sejam os meus cantores favoritos, mas eles são as minhas influências, entende? E eu ainda ouço esses caras o tempo todo.

Rockzone: Isso é legal… OK… Tenho aqui uma pergunta que qualquer fã seu gostaria de fazer: por que você leva tanto tempo para lançar um álbum novo?

Steevi: Basicamente porque na última vez que fiz um eu achei que deu muito trabalho e eu mesmo o lancei, e eu não tenho o dinheiro para fazer isso, entende o que eu digo? E não são muitos artistas que têm conseguido contratos hoje em dia, então é basicamente por isso. A época do “Kick That Habit”… estávamos fazendo o álbum, mas acabou levando tanto tempo fazendo aquelas três músicas que nós nunca podemos ir à diante, e isso custou muito dinheiro. Quero dizer, nós saímos do contrato, um contrato com a Atlantic naquela época, eles não gostaram das demos, por qualquer que tenha sido a razão… Sim, essa é a minha explicação para isso além de só ter feito aquele disco sozinho (o “My Private Hell”) porque eu quis fazê-lo. Eu quis tirar o álbum “Young and Crazy” das minhas costas, porque eu não quero ser lembrado por ele. Quero dizer, eu não sou um grande cantor, eu nunca me destaquei por ser um grande cantor, mas algumas daquelas músicas naquele disco são horríveis. Eu só quis fazer uma coisa de que eu realmente me orgulhasse e que eu pudesse ouvir, e que não fosse grunge, e é o que é para mim, entende? Mas sim, eu adoro fazer discos, mas você sabe, eu estou doente também e por isso não posso me dedicar a fazer outro, e já faz quinze anos que estou assim. Sem contar isso, seria muito trabalho para mim, entende? É basicamente isso.

Rockzone: OK, quais são os seus planos para o futuro? 

Steevi: meu Deus, cara… eu não sei… como a mídia vai, eu não sei. Você nunca pode dizer nunca, mas nesse momento eu tenho que concentrar em mim mesmo, entende, porque eu não estou bem agora e eu preciso melhorar, mas quem sabe? Quem sabe? Se alguém oferecer um contrato para lançar um disco, quem sabe então daqui há uns dois anos acontecerá, mas eu não sei… muito trabalho pesado.

Rockzone: Então não tem material novo a caminho?

Steevi: Não nesse momento. Eu escrevi uma música com Chris Laney, que produziu o meu álbum, e ela será o single de seu próximo disco, quando ele sair, não estou certo de quando será lançado. Mas essa foi a última coisa que fiz, então… vamos ver… quero dizer, como eu disse “nunca diga nunca”.

Rockzone: OK. Alguma mensagem final para os leitores? 

Steevi: Sim, obrigado por me apoiarem durante todos esses anos, cara, e pessoas como você, você sabe, me deixam feliz, entende? Quando eu encontro pessoas e elas dizem que adoram as coisas que você faz, e que foi ótimo crescer ouvindo ele… então, sim, obrigado a todos por isso, certo?

Rockzone: Você gostaria de deixar um link para a sua página ou algo assim? 

Steevi: Sim, acho que apenas o da página do facebook … Eu não sei qual é…eu acho que é www.facebook… Não, http://www.facebook.com/steevi.jaimz… Sim, eu postarei para você e você saberá, e aí você pode colocar tudo online. Sim, sim… é basicamente isso, certo?

Rockzone: Certo! Muito obrigado, Steevi!

Steevi: Sou eu que agradeço, cara. Obrigado!

By Criss Sexx

guest
0 Comentários
Sugestões
Veja todos os comentários