Entrevista com a BANG BANG BABIES

Imagine que você está entre os anos 60 e 70, curtindo um puta som de Surf Music, num bar modesto e aconchegante. Daqueles que você pode ficar bem a vontade, falar besteiras com os amigos, desfrutar o início da noite. Agora coloque no meio disso um puro e forte Garage Rock, com tendências punks e digamos assim, “retrô”, chegando nisso com aqueles riffs viciantes um pouquinho só parecidos com os de Rockabilly lá nos anos 50. Imaginou? Agora uma pitada de letras sugestivas e piradas, que fazem você querer se mexer com essa combinação. Mas se mexer mesmo! Pois é de Bang Bang Babies que eu venho falar, para abrir nossa coluna “On The Road”!

Combinando os gêneros que eu citei acima e mais, os caras do Bang Bang Babies estão na lista de bandas independentes brasileiras que vieram mandar bala na cena Garage, já conquistando admiradores (eu, uma delas!), pelo Brasil. Eu definiria o som dos caras como um daqueles onde você se imagina pegando a estrada, sem destino, agitando nos lugares onde passa! E é bem isso mesmo.

Estive conversando com o Pedro Henrique, o vocalista da banda, que declarou Bang Bang Babies influenciada pelo som de bandas como The Cramps, The Stooges e etc. Ótimas influências, na minha opinião. Fiz um convite para uma entrevista, que ele aceitou de bom gosto, respondendo e contando mais sobre essa banda que tem tudo pra continuar avante na estrada! Segue a entrevista!

RZ: Vou começar perguntando sobre a trajetória de vocês. Como e quando a banda teve início, e quem são os personagens dessa história ?

Pedro: A banda começou em 2005, eu e o Vital (guitarrista) queríamos montar uma banda de rock “garageiro”, testamos algumas formações, algumas sem baixo, mas a banda se firmou em 2006 com o Renato no baixo e o Hélio na bateria. A partir daí começamos a fazer shows e gravamos nosso primeiro EP ainda em 2006. Depois disso tocamos bastante aqui em Goiânia e fora do estado também. Ano passado lançamos o álbum ‘Love and Bullets‘. A formação mudou no fim do ano com a saída do Hélio e a entrada do Migué na bateria.

RZ: Legal! E vocês se basearam em quais influências para montar a Bang Bang Babies?

Pedro: Punk, Garage Rock , Surf Music, por aí vai. A gente sempre gostou de coisas mais cruas, menos sofisticadas, bandas como Cramps, Stooges , Sonics, Gories ,estão entre as nossas favoritas.

RZ: E do que o Bang Bang Babies costuma falar? Quais os elementos em que as letras se referem num geral?

Pedro: Amor e ódio. Chapação e ressaca. Sobre pessoas problemáticas. Esse tipo de coisa. Hahaha

RZ: Algum de vocês possui algum outro projeto, por fora da Bang Bang Babies, ou já possuíram ?

Pedro: Todos já tiveram outras bandas antes ou durante o Bang Bang, mas hoje só o Migué tem outra banda na ativa, o Cicuta. Nosso antigo baterista tocava em três bandas ao mesmo tempo. O Vital está sendo requisitado para tocar em outras bandas, mas não sei o que vai virar.

RZ: Quantos shows vocês já participaram, e qual o maior e melhor deles, pra vocês?

Pedro: Não tenho noção de números. Os mais legais, muitas vezes, são em lugares pequenos. Tocamos muito em festivais, é sempre muito bom, mas também gostamos de tocar em tosqueiras, como o Capim Pub aqui em Goiânia.

RZ: Já tocaram em algum lugar fora de Goiânia? Caso não, topariam se aparecesse a oportunidade de tocar em outros Estados, ou por enquanto ainda querem se “firmar” mais em Goiânia?

Pedro: Sempre que possível a gente toca fora, em 2007 nós viajamos bastante e continuamos pegando a estrada sempre que rola. Claro que sempre existem dificuldades como conciliar os compromissos e até mesmo quanto a propostas feitas por alguns produtores, mas estamos aí!

RZ: O que sente que a plateia costuma passar para vocês em seus shows? Animação total, porradaria em mosh ou pessoas curiosas que estão conhecendo agora? E como se sente em relação a isso?

LEIA MAIS  Carrossel Diabólico concede entrevista sobre realização de novo videoclipe
Pedro: Cada show é um caso, depende muito de onde e com que bandas fazemos o show. Já rolou de tudo, de shows insanos a shows mortos. Claro que é sempre melhor tocar para um público animado, mas acho que também é papel da banda fazer o público se animar durante o show.

RZ: Qual música de vocês, que você definiria como a cara da banda em geral?

Pedro: Acho que as músicas novas, que gravamos e vamos lançar em breve. Elas estão com uma cara mais garageira, ‘Pepper spray‘ por exemplo.

RZ: Ok, agora, o que você acha da cena independente brasileira nos dias atuais, num geral? O que diria para aquelas que se sentem desvalorizadas, para que elas continuassem a seguir em frente como vocês?

Pedro: A cena continua com as dificuldades de sempre, é bem difícil pra uma banda gravar, lançar disco e circular, a não ser que tenha alguém por trás. O importante é fazer o som que você gosta, do jeito que você gosta, sem se preocupar com padrões e regras.

RZ: Já aconteceu alguma coisa bizarra ou cômica com a banda durante a trajetória, ou algo que deu errado? Se sim, o que ?

Pedro: Com certeza aconteceram várias coisas do tipo, mas acho melhor não expor, pois poderia dar problema. Hahaha! E com certeza várias outras situações bizarras aconteceram, mas nossa memória não permite que lembremos. Foda!

RZ: Hahaha, tá certo. As últimas agora. Quais as pretensões e projetos futuros da banda ?

Pedro: Estamos com 7 músicas gravadas, vamos lançar um vinil com elas, ainda não sabemos se vai ser 7 ou 10 polegadas, mas vai rolar em breve. Além disso a intenção da banda é continuar produzindo, fazer músicas novas, gravar e continuar com os shows. Mas sem stress, é claro!

RZ: Ótimo, bom saber que querem continuar com tudo, porque o som de vocês arrebenta! Agora, como costumam divulgar o trabalho de vocês? Internet apenas, ou usam outro veículo?

Pedro: Na real somos péssimos marketeiros. Hahahaha! Divulgamos pela internet e pessoalmente também, as vezes trocamos correspondências com outras bandas e selos, é mais divertido. Mas o maior veiculo de divulgação é myspace mesmo. myspace.com/bangbangbabies

RZ: Que outras bandas independentes na sua opinião estão aí na estrada mandando bem?

Pedro: Das bandas nacionais eu gosto do Damn Laser Vampires, do Blackneedles, do Dead RocksCobras MalditasBanda de Blues entre outros. Mas isso foi uma resposta bem pessoal.
RZ: Boa! Agora, próximos shows ?
Pedro: Dia 27/03 em um rock/protesto aqui em Goiania e dia 10/04 em Itaberai – GO, tem outros sendo agendados, mas esses são os que eu posso adiantar.
RZ: Muito bom. Pra encerrar, manda os contatos pra gente divulgar.
Pedro: Só o myspace e o email mesmo. myspace.com/bangbangbabies , [email protected]
RZ: Ok Pedro, valeu mesmo pela entrevista! Eu e a equipe agradecemos!
Pedro: Eu que agradeço, valeu pela força!
É isso aí gente, como podem ver, Bang Bang Babies preza a continuidade de seus bons gostos para som e composição! Vamos torcer para que logo eles façam uma apresentação aqui no Rio, pois eu tenho certeza que vão fazer sucesso. O Surf Music e outras vertentes estão em alta atualmente no Rio de Janeiro em festas e eventos como A Grande Roubada, Riobilly, e outras. Seria uma boa receber os caras aqui em um desses eventos de sucesso. Ao final do post, veja uma palhinha dos caras na música Love and Bullets Até a próxima gente e…
guest
0 Comentários
Sugestões
Veja todos os comentários