BLACK VEIL BRIDES – The Phantom Tomorrow

Black Veil Brides nunca foi uma banda que fazia as coisas pela metade.

Seus lançamentos cresceram para se tornarem mais do que meros lançamentos de álbuns, com grandes pacotes de multimídia abrangendo histórias em quadrinhos, filmes, arcos de videoclipes e outras grandes ideias voando ao redor deles. The Phantom Tomorrow não é menos ambicioso em escopo.

A data de lançamento foi adiada desde o verão até que a nova série de quadrinhos e outros periféricos fossem alcançados, e o álbum em si é outra ópera rock completa que confunde as fronteiras entre a vida real corajosa e a fértil terra da fantasia sombria que vive dentro da cabeça de Andy Biersack.

Tudo isso torna um pouco surpreendente que The Phantom Tomorrow tenha um início tão discreto. Após uma lenta construção da faixa-título que é essencialmente uma introdução cinematográfica, Scarlet Cross dá o pontapé inicial de uma forma ligeiramente desanimadora.

A banda acreditou na faixa o suficiente para lançá-la como um single introdutório em novembro do ano passado, mas realmente é uma abertura moderada demais quando você espera que eles explodam como um filme de Chris Nolan. O álbum seguinte, Born Again, é igualmente discreto, com um riff de rock melódico sombrio sustentado por tons cintilantes e pelo menos um toque do brilho gótico do HIM.

O líder icônico da banda provou que tem muita luz e sombra em sua escrita, especialmente através de seu trabalho solo de Andy Black, mas com o BVB você espera um pouco mais da pirotecnia aural. Eles começam a acelerar as coisas na última parte do álbum, no entanto, com The Wicked One aumentando os níveis de energia e trazendo alguns ganchos familiares de ‘Whoa-oh’ ao lado de eletrônicos deslizantes e um riff robusto. Shadows Rise traz de volta aquele brilho gótico ao erguer torres cintilantes de melodia, e Fields Of Bone abrange perfeitamente a área entre o bom e o bombástico.

LEIA MAIS  MASTODON - Hushed And Grim

Enquanto isso, Crimson Skies os vê brincando com suas raízes. O Re-Stitch These Wounds do ano passado pode ter ajudado a reacender alguns velhos fogos e os riffs aqui são tão irregulares e agressivos quanto você provavelmente ouvirá de Black Veil Brides dos dias modernos. Há até alguns gritos dilacerantes para garantir.

Liricamente e tematicamente, o álbum mais uma vez tece questões reais em parábolas de realidade alternativa sombria. Ostensivamente, ele se centra em um protagonista anti-herói conhecido como Blackbird – cujo arco pode ser seguido através dos vídeos de música lançados até agora, bem como dos próximos gibis.

Em parte, é inspirado por obras distópicas de ficção como V For Vendetta de Alan Moore, mas também traz seus próprios pontos de referência do mundo real. Torch ilumina a era pós-verdade (‘Não importa mais se o que dizemos é verdade… Eu fiz o universo do jeito que eu queria’) e toda a narrativa explora a maneira como celebridades, políticos e figuras públicas se tornam mitificados em todos os lados do espectro político.

É outra peça enganosamente pensativa de fanfarronice de fantasia de uma banda que se tornou cada vez mais talentosa na construção de seu mundo. Não é o álbum mais imediato ou visceralmente empolgante que o Black Veil Brides já fez, mas é um álbum que impregna seus ritmos às vezes discretos com suas próprias veias ricas de sutilezas.

AUTOR: Paul Travers
FONTE: https://www.kerrang.com/

guest
0 Comentários
Sugestões
Veja todos os comentários