Bizibeize comenta sobre sua nova fase e da confecção do seu mais novo single

O trio catarinense expõe suas idéias mediante o recém lançado single ‘Nao vai te satisfazer “, que saiu pelo selo Dinamite Records.

Pra sabermos mais sobre esses assuntos que envolvem a nova fase, conversamos com os 3 integrantes do grupo, sendo eles Gustavo, Vitor e Yuri! Confira a entrevista cedida.

P: Desde quando vocês optaram por ser um trio? E o que muda musicalmente com esta nova formação?

Gustavo: Não foi bem essa mudança de formação que acarretou numa outra musicalidade. Talvez até tenha sido o contrário. Em 2019 o bagulho pegou fogo e a gente tocou pra caralho, fez tour em São Paulo, lançou uns clipes irados, e depois de 6/7 anos nesse corre, naturalmente nossas composições e nosso comportamento como banda mudou, e na nossa concepção, evoluiu. Aos poucos, aquela sintonia foda que tínhamos entre nós já não tava mais batendo bem. Tentamos nos alinhar a todo custo, conversamos e discutimos várias vezes, mas por volta de Maio do ano passado, digamos que há exatamente um ano, concordamos a saída do Topete e de uma das guitarras poderia desafogar as coisas, individual e coletivamente.

Yuri Oliveira: Essa nova dinâmica já estava estabelecida há cerca de 1 ano, pouco tempo depois das primeiras medidas restritivas contra a covid-19 serem adotadas. Mas só retomamos as atividades mesmo no final do ano passado. A pandemia acelerou alguns processos internos que já vinham pedindo uma mudança de abordagem há algum tempo. Esse breque forçado nos deu a oportunidade de refletir sobre a trajetória da banda, repensar conceitos e amadurecer os planos pro futuro dessa empreitada. A mudança na formação e a sonoridade do novo single, são as primeiras consequências disso. Nesse novo trabalho a gente buscou explorar uma abordagem um pouco mais melódica que os Eps e singles anteriores, flertando entre elementos do rock alternativo noventista, com uma pitada de heavy rock do fim dos anos 60. Esse lançamento é o nosso primeiro passo na direção de consolidar essa nova dinâmica.

Vitor Graf: Se tornar um trio não foi nada estratégico, foi algo que acabou acontecendo. Quando iniciou a pandemia, a gente decidiu focar em algumas ideias que sempre deixamos em banho-maria por questão de tempo e por conta da agenda de shows e tal. Aproveitamos esse momento pra olhar pra dentro da banda e ver caminhos que já estávamos tomando, tanto sonoramente quanto de posicionamento. E foi quando estruturamos todo esse nosso engajamento. Nesse momento tivemos alguns conflitos internos. Acredito que musicalmente o que mudou não foi por conta de se tornar powertrio, a gente já vinha esboçando e criando outras linhas musicais, porém ainda não tínhamos nada gravado. Pra mim, o que agrada em ser powertrio é a possibilidade de explorarmos o silêncio, trabalhar com momentos calmos e explosivos. Gosto dessa independência que os instrumentos tem para somar cada um na sua esfera, e juntos criarem uma massa sonora.

P: Como vem sendo o feito o processo de composição em meio a pandemia?

Vitor Graf: O processo em si não mudou muito, os primeiros esboços sempre fiz em casa sozinho, gravo no celular toscamente e envio pra banda sacar a ideia, e juntos no ensaio vamos compondo e criando o arranjo da musica. O que mudou é que os ensaios não aconteceram como antes.

Gustavo: Nosso processo de composição não mudou muito com a pandemia não…. Desde sempre, usamos a internet a nosso favor e isso facilita bastante a troca de ideias e a construção dos primeiros detalhes das músicas. O que acontece é bem simples: assim que alguém junta uma nova letra com um novo arranjo, mesmo que de forma simples, compartilha em áudio/vídeo com os outros e o negócio começa a criar forma. “E se a gente dobrar essa introdução? Vamos por um backing vocal aqui? E se esse verso for só com baixo e bateria?”. Na vida normal, se o Vitor nos mandasse uma ideia hoje, amanhã mesmo estaríamos no estúdio ensaiando e trabalhando nela a todo vapor. Em meio a esse caos pandêmico, as ideias e composições não pararam (e em certos momentos até tiveram um fluxo maior), mas infelizmente nos vimos obrigados a parar com os ensaios. Prioridades, né não?!

P: Vocês conseguiram se conectar com o público da banda nesse período?

Gustavo: Mais ou menos. Estivemos sim conectados com a galera que nos acompanha, inclusive muita gente desse nosso público é artista independente, gente que também sofreu e sofre com os mesmos perrengues que nós, então rolou uma articulação da cena inteira, principalmente lá nos primeiros meses de pandemia, pra que bandas e público pudessem continuar trocando ideias, fazendo apresentações e tudo mais. Agora falando especificamente de nós, optamos por uma postura mais reservada. Internamente, tínhamos muito o que conversar, ideias para alinhar e decisões pra tomar. De dezembro/2020 até o dia da gravação, na primeira semana de fevereiro/2020, pudemos ensaiar focados na gravação desse novo single, e aí sim nos sentimos mais firmes pra reatar a nossa boa comunicação com a turma.

Vitor Graf: A gente sempre teve uma frequência e engajamento grande na internet, claro que muito dos conteúdos eram a respeito dos eventos e tal. Confesso que nossa frequência deu uma abalada por conta do interrupção dos shows, mas com certeza também por não nos sentimos a vontade em ficar aleatoriamente criando conteúdos desnecessários apenas para alimentar algoritmo, nosso maior interesse é fazer musica e tocar musica.

P: Nos falem mais sobre este novo single; letra, sonoridade, influências.

Vitor Graf: Essa musica foi criada em meio a pandemia da Covid, primeiro surgiu o riff e naturalmente foi surgindo a letra. É uma musica que aborda um tema mais existencialista introspectivo. Carregada de explosões de energia e momentos de calmaria, Não Vai te Satisfazer traduz um reflexo dessa situação de quarentena, onde é preciso conviver com um turbilhão de sentimentos internos e tentando nos enxergar com olhos externos. A questão de referencias acaba sendo mais sobre todas as músicas do que alguma pontual. Atualmente estamos mais sinceros com o que queremos tocar, nos desprendendo de algum nicho ou estilo musical. Mas se for pra tentar dizer algo, estamos fazendo rocknroll, talvez um rock alternativo, sei lá.

LEIA MAIS  Vinicius Caputo, cantor solo de Minas Gerais, divulga seu último EP: Revirado

Gustavo: Foi tudo muito rápido. Entre a primeira vez que o Vitor puxou a levada no ensaio, e as primeiras demos gravadas no M.A.U, passaram-se poucas semanas. O engraçado é que quando batemos o martelo e decidimos que o próximo lançamento seria um single, “Não vai te satisfazer” tava bem atrás na fila do pão. Eu mesmo cheguei a dizer “essa aí com certeza não pode ser single hein” hahahaha Mais rápido ainda percebemos que na verdade ela era justamente o que precisávamos. Decidimos lançar um single visando “testar” essa nova fase da banda, tanto internamente quanto perante ao público.

Essa música tem mais de 4 minutos. São tipo 3 riffs diferentes que mais parecem 3 músicas diferentes contando a mesma coisa. Tem andamento com chocalho… Então pô, pra gente que literalmente vive isso há tanto tempo, é uma transição normal: antes o nosso som saía assim, agora sai assado. Mas pra quem conhece a BIZIBEIZE das plataformas digitais, que ouve músicas feitas há 5 anos, 7 anos, ou até mesmo pra quem tá acostumado a colar nas nossas apresentações, certamente vai causar um impacto maior. Sempre gostei das nossas letras pois obviamente me identifico muito com os pontos de vista e questionamentos que levantamos em relação a vida. Vejo isso em quem curte nosso som também. Isso, bem como nossa energia e potência características continuam fortes.

P: Onde foi gravado? E qual a experiência anterior que permitiu a gravação do mesmo?

Vitor Graf: Gravamos a música no HD Music Studio, com o Hique d`Avila, onde já tínhamos feito as musicas 100% Nem Aí e Você só Vive uma Vez. Desde o primeiro encontro com o Hique as coisas deram certo, o bixo é um puta profissional e a dinâmica com a gente fluiu bem, por isso optamos por manter essa parceria. A mixagem do som quem fez foi o Billy Maia, fundador da Dinamite Records – selo que estamos inseridos. O Billy, alem da mix, assinou a produção junto com a gente. Já fazia um tempo que a gente conversava e trocava figurinha sobre as musicas, então quando começamos o processo de pré-produção as coisas já estavam fluindo na mesma frequência, o que foi crucial para o passo que estávamos querendo dar.

A master foi feita pelo Chris Hanzsek de Washington-US, baita produtor que já trabalhou com grandes nomes e pilares da musica, muitos que foram, são e sempre serão extremamente importante para o som que fazemos, como Green River e Melvins. Achamos que esse toque final poderia trazer uma puta finalização que o som precisava.

P: Vocês tomam conta de toda parte estética visual do grupo, o que buscaram traduzir neste novo single.

Vitor Graf: Sempre fomos auto-suficientes e muito forte na parte visual da banda, acredito que foi isso que nos ajudou nessa caminhada desde o inicio da banda. Pra esse novo material não foi diferente o processo de criação. A capa do single tem a intenção de causar o incomodo de um olhar fixo, angustiado, profundo e impaciente. É a profundidade do que estamos compondo e ainda assim trazendo sempre junto a nossa estética.

Gustavo: Cara, sempre tivemos essa atenção grande ao trabalhar a comunicação da banda. Fazer de qualquer jeito sempre incomodou e certamente agora não seria diferente. Por muito tempo, usávamos de uma estética mais cômica, jovem, usando de várias ilustrações iradas feitas pelo Papi e agregando diversas cores. Um bom exemplo é o das baratinhas, que fizeram sucesso haha. Mas já não é de hoje que adotamos uma outra postura, um lance menos divertido e mais sério, menos cores e mais tons de cinza. Mais colagens e menos ilustrações. Tem algo muito legal que o Vitor vem trazendo pras artes, que é um efeito scanner, derretido, borrado. Traz uma vibe mais ácida, corrosiva, parece que os bagulho são do mal hahaha Enfim, a tendência é que os próximos materiais sigam por essa caminho.

Existem novas canções e projeto de um EP ou álbum? Além de videoclipes?

Gustavo: Existem várias novas canções! Algumas julgamos estarem prontas, outras pela metade. Algumas ainda estão só nos esboços iniciais, mas o tesão de trabalhar em cima delas é gigante. Somando tudo, temos por volta de 20 faixas novas. A ideia ensaiar muito, selecionar as melhores e finalmente lançar o primeiro álbum. Temos muito trabalho pela frente. “Não vai te satisfazer” é apenas a primeira de muitas, e certamente vai ganhar um clipasso insano.

Vitor Graf: Junto com Não Vai te Satisfazer foram criadas mais várias musicas, algumas mais finalizadas do que outras. A nossa idéia, e que ja começamos processo de planejamento junto ao selo é para a criação do nosso primeiro álbum cheio.

Quais os planos breves?

Vitor Graf: Além do álbum cheio que ainda esta em processo embrionário, estamos já em contato com a produtora audiovisual Pulso para a criação do videoclipe de Não Vai te Satisfazer. Temos alguns outros materiais engatilhados, mas isso vou deixar de surpresa hahaha.

Gustavo: Bom, temos muito o que fazer em relação ao lançamento do single. São vários dias antes e vários dias depois de divulgação e promoção. Além disso, temos um roteiro de videoclipe pronto, com locação e equipe definidas. São compromissos que estão no nosso calendário e vamos fazer valer todo esse empenho certamente.

Links:

https://open.spotify.com/artist/0MYFR6Z7vj90VDIYOkP0mo
https://www.instagram.com/bizibeize/
https://youtube.com/user/bizibeize
https://www.facebook.com/bizibeize

FONTE: GMF Assessoria

guest
0 Comentários
Sugestões
Veja todos os comentários