Banda Armada luta nas trincheiras do rock com single duplo ‘Ditadura assassina’

O nome da banda Armada está em sintonia com o espírito de luta de Ditadura assassina, single duplo lançado por esse quinteto paulistano de rock nesta quarta-feira, 4 de dezembro, em edição digital e em compacto de 45 RPM fabricado em vinil pela gravadora indie Neves Records com tiragem limitada de 250 cópias.

Com capa que expõe arte criada pelo ilustrador brasiliense Paulo Rocker com a intenção de evocar imagens do regime instaurado no Brasil em 1964, o single duplo Ditadura assassina se alinha com a tensão política latente no país ao longo deste ano de 2019.

Banda surgida em 2017 das cinzas do Blind Pigs, grupo paulista de punk dissolvido em 2016, Armada alveja a ditadura brasileira de 1964 e as repugnantes consequências do regime totalitário – como a promulgação em dezembro de 1968 do Ato Institucional Nº 5 (AI-5) – com duas músicas inéditas.

Nas trincheiras, cuja gravação também pode ser ouvida em lyric video, narra na primeira pessoa a história de soldado enviado para lutar na guerra, onde perde a inocência da juventude ao testemunhar os horrores dessa guerra. A rua de trás versa sobre os anos de chumbo com alusões aos tempos atuais.

LEIA MAIS  O sonho de ter uma banda não tem prazo de validade

Ambas as músicas são composições assinadas por Henrique Baliú, vocalista da Armada, com o guitarrista Ricardo Galano. Baliú e Galano formam o quinteto com Alexandre Galindo (guitarra), Arnaldo Rogano (bateria) e Mauro Tracco (baixo). Com exceção de Galano, todos os músicos integraram o grupo Blind Pigs.

Na arte exposta na contracapa do single, os cinco integrantes da Armada são apresentados em fichas que remetem às usadas pelo Departamento de Ordem Pública e Social, o Dops, um dos mais sanguinários órgãos de repressão postos em ação pelo regime de 1964.

O single duplo Ditadura assassina dá continuidade à discografia iniciada pela Armada em novembro de 2017 com o single Eterno marujo, amostra inicial do primeiro e (por ora) único álbum da banda, Bandeira negra, editado em 2018.

FONTE: https://g1.globo.com/

guest
0 Comentários
Sugestões
Veja todos os comentários