Bad Religion lança nova música “What Are We Standing For”

Os ícones do punk rock, Bad Religion, lançaram “What Are We Standing For”, um outtake do álbum de 2019 aclamado pela crítica “Age Of Unreason”.

A música é de apoio e compaixão pelos atletas profissionais e outros, que se ajoelharam para protestar contra a brutalidade policial e o racismo.

O Bad Religion sempre defendeu o humanismo, a razão e o individualismo, o que em nosso clima político atual é uma mensagem que nunca foi tão essencial. “Nesta época de nacionalismo tribal, a dissidência, como forma de discurso político, é vital para a democracia”, disse o co-compositor e guitarrista do Bad Religion, Brett Gurewitz.

Em agosto, o Bad Religion lançou sua autobiografia, “Do What You Want: The Story Of Bad Religion”, escrita com total cooperação e apoio do grupo. Ele revela os altos e baixos da carreira de 40 anos da banda, desde seu início como adolescentes experimentando em uma garagem de San Fernando Valley apelidada de “The Hell Hole”, até os principais festivais de música ao redor do mundo. O livro apresenta predominantemente as quatro vozes principais de Bad Religion em um formato híbrido de história oral / narrativa: Gurewitz, Greg Graffin, Jay Bentley e Brian Baker. Também inclui fotos raras e material nunca antes visto de seus arquivos.

No mês passado, Graffin falou ao programa de rádio “The Five Count” sobre o que o mantém inspirado para fazer novas músicas quatro décadas após a carreira da banda punk veterana. “Isso é o que é único no Bad Religion, é nosso longo catálogo, nosso extenso catálogo de músicas e álbuns”, disse ele. “Embora muitas bandas tenham 40 anos, a maioria delas está tocando músicas ou hits de 30 anos atrás, porque não lançam músicas novas”.

LEIA MAIS  OnStage Agência amplia operações para os Estados Unidos

“Quando o Bad Religion decide lançar novas músicas, não é apenas porque o mundo está em turbulência; não acho que isso seja muito inspirador como compositor”, explicou ele. “Escrevemos música que esperamos que transmita algum tipo de sentimento de otimismo, mesmo que nossa música seja bastante pessimista. [Risos]”. Ele acrescentou: “É engraçado, porque muitos fãs dizem, ‘Sua música é sobre coisas tão sérias. Muitas delas são coisas trágicas sobre a condição humana. Mas sempre me faz sentir muito bem’. [Risos] E essas não são pessoas sombrias – elas não são negativas, pessoas niilistas. Há algo de esperançoso e edificante em nossa música, e isso é algo que sinto uma grande satisfação artística”.

FONTE: https://www.blabbermouth.net/

guest
0 Comentários
Sugestões
Veja todos os comentários