AVANTASIA – The Wicked Symphony, 2010

O mês de Abril/2010 marca o retorno da banda (ou reunião de integrantes de diversas bandas, se preferirem) Avantasia, com dois lançamentos simultâneos: The Wicked Symphony e Angel of Babylon. Assim como nos trabalhos anteriores, a mistura de Heavy Metal, Hard Rock, Música Clássica e Ópera predomina, sendo indispensável usar aqui o termo Metal Opera para definir o trabalho idealizado por Tobias Sammet (Edguy).

Vamos por partes. The Wicked Symphony é a segunda parte da saga que começou com The Scarecrow (2008). Não vou entrar aqui no mérito sobre a história narrada e seus personagens, vou ficar apenas no plano da resenha musical. O álbum começa com a faixa-título, definida pelo próprio Tobias como “uma faixa de dez minutos contendo uma batalha de vocais entre eu, Jørn Lande e Russell Allen”.

A influência do Hard Rock nessa faixa-título é gritante, assim como em “Runaway Train” – a faixa que para mim mais evolue, durante os seus quase 9 min – “Forever is a long time”, “States of matter”(essa é bem dinâmica), e a balada “The edge”.

Dentre as demais faixas, “Dying for a angel” já ganhou até vídeo-clip – com direito a participação de Klaus Meine também. O destaque em “Blizzard on a broken mirror” também fica por conta da participação especial, no caso, o brasileiro André Matos. Essas eu gostei de ouvir (rs!), assim como “Black Wings”, que até me lembra Metalcore (rs!).

Aos metaleiros de plantão, deixo como destaque também as faixas “Wastelands”, “Scales of justice” e “Crestfallen”. Vou deixar para falar sobre o Angel of Babylon numa próxima resenha.

Tracklist & Participações:

1. “The Wicked Symphony” – Jørn Lande (Masterplan) e Russell Allen (Symphony X) nos vocais; Felix Bohnke (Edguy) na bateria
2. “Wastelands” – Michael Kiske (Helloween) no vocal e Oliver Hartmann (At Vance) na guitarra
3. “Scales of justice” – Tim “Ripper” Owens (Judas Priest, Iced Earth) no vocal e Alex Holzwarth (Rhapsody of Fire) na bateria
4. “Dying for a angel” – Klaus Meine (Scorpions) no vocal
5. “Blizzard on a broken mirror” – Andre Matos (Angra, Shaaman) no vocal e Felix Bohnke
6. “Runaway Train” – Bob Catley (Magnum), Jorn Lande e Michael Kiske nos vocais; Bruce Kulick (Kiss) na guitarra; Simon Oberender na bateria
7. “Crestfallen” – Jorn Lande e Alex Holzwarth
8. “Foverer is a long time” – Jorn Lande no vocal; Oliver Hartmann na guitarra; Alex Holzwarth na bateria e Simon Oberender no órgão
9. “Black Wings” – Ralf Zdiarstek (Warrior) no vocal e Felix Bohnke
10. “States of matter” – Russell Allen no vocal e Alex Holzwarth na bateria
11. “The edge” – Bruce Kulick na guitarra, Felix Bohnke na bateria e Simon Oberender no órgão.

Autor: Victor “Montanha” Vieira

guest
0 Comentários
Sugestões
Veja todos os comentários