Arkanos: O Mais Puro Heavy Metal Boliviano na Veia

No início de 2000, a banda boliviana de Heavy Metal “Arkanos” entrou na arena do metal; participando de shows underground local e nacional, para dividir o palco com bandas de renome internacional como: rim Reaper, Barón Rojo, Mago de Oz e outras.

Arkanos, ao longo de sua carreira, fez apresentações no exterior: “1º Festival Underground 2003” (Juliaca- Peru), festival “Guerreros del Metal” 2008 (Puno-Peru), festival “Hermandad Metálica” 2009 (Bs. As. E Santa Fé – Argentina) e o festival “Hermandad Metálica” 2012 (Bs. As. E Santa Fé- Argentina), o festival “Nuestro Sentir Zine” (Montevidéu- Uruguai).

Porém, sua maior conquista é ter contribuído para a formação do metal boliviano com composições próprias, resgatando em suas letras a história desta parte da América (Abya Yala) e da Bolívia em particular, transmitindo através delas posições de oposição à sociedade consumista e individualista, valorizando a solidariedade, justiça social e liberdade; banir posturas superficiais, discriminatórias e racistas, tudo em prol de uma verdadeira busca por uma sociedade livre de preconceitos e estereótipos.

O primeiro álbum intitulado: “La cruz en la espada” (2003), contém dez canções: “La cruz en la espada”, “La dama del Lago”, “Hacia un nuevo mundo”, “Esclavitud de Abya Yala”, “Fuego y dolor”, “Esclavos de Satán”, ”La era final”, “Ira del metal”, “Oscuridad” y “Legends of Immortals”, esses temas pretendem resgatar uma parte transcendental da história de Abya Yala (hoje a América do Sul), profetizando a queda do império Inca e a conquista espanhola, a odisseia dos conquistadores em sua jornada para um novo mundo e sua descoberta, para narrar a conquista sangrenta e cruel baseada na cruz e na espada, contendo também outras temas variados.

A segunda obra intitulada: “Tierra de héroes” (2006), contém doze canções: ”Vientos de Libertad”, “Exilio”, “Sangre de héroes”, “Cruenta soledad”, “Andes Letal”, “Gloria”, “Vencer o morir”, “Héroes anónimos”, “Nunca me rendiré”, “Crepúsculo” y “Abya Yala libre”, é seu primeiro álbum conceitual baseado na vida do libertador Simón Bolívar, em paralelo, ele fala sobre as inúmeras revoltas e movimentos libertários que surgiram em três séculos de lutas sangrentas, com o objetivo de libertar esta parte da América, transformando os campos de batalha na “Terra dos Heróis”.

O terceiro álbum conceitual intitulado “Más allá de las columnas de Hércules” (2012), publicado na Argentina pelo lendário “Metalicazine” contém doze canções: “El hijo de la hechicera”, “La odisea del Dragón”, “ Emperador de los montes”, “Metal infernal”, “Sombras del mal” “Abismo de dolor”, “Tierra sin paz”, “Socorredles del infierno”, “Mi inferna ley, el Heavy Metal es”, “Danza fantasma”, “Centurias de libertad” y “Arkanos”. Possui doze temas, dos quais oito são conceituais, estes são inspirados em histórias e lendas referentes à Villa Imperial de Potosí e ao Cerro Rico, que foi a maior montanha de prata do mundo na época colonial. O álbum leva o título inspirado nas Colunas de Hércules, que atualmente estão gravadas no brasão de Potosí (Bolívia), desde o século XVI. Na mitologia greco-romana, Hércules havia colocado duas colunas no Estreito de Gibraltar, com o selo de “Non Plus Ultra” (não mais além), isso significava que passando por essas duas colunas, em direção ao Atlântico, havia apenas o desconhecido, o fim do mundo.

LEIA MAIS  O novo visual de Fred Durst deixou a internet completamente agitada

A partir da descoberta da América, na Europa, as pessoas começaram a falar do “Plus Ultra” (Além), lembrando que Além das Colunas de Hércules, existe a América e maravilhas como o Cerro Rico de Potosí. Nesta Villa Imperial, podemos encontrar histórias fantásticas, como a de Juan de Toledo, aquele eremita que caminhou vinte anos com o crânio de seu inimigo pelas ruas da Villa, as guerras civis entre vicunhas e bascos pela riqueza do Cerro, a viagem do pirata Francisco Draque ao longo da costa do Pacífico para roubar a cobiçada prata de Potosí, o tráfico de escravos trazido da África, a ganância, os duelos, a anarquia, a magnificência de Cerro Rico, foram a inspiração para este álbum.

O quarto álbum “Tierra de Héroes X” (2016), é a regravação do segundo álbum “Tierra de Héroes”, por ocasião do seu 10º aniversário. Este álbum tem a particularidade de ter a participação de grandes vozes do Heavy Metal espanhol, como Erico “La Bestia” Morales, da banda “Dantesco” (Porto Rico) e Oscar Sancho da banda “Lujuria” (Espanha), foram mixados no Virtual Estudio (Bs. As.- Argentina), editado pela lendária “Metalicazine”, da Argentina e distribuído pela“ Icarus Music”. A formação atual da banda é Fisher Pérez (Voz, Baixo); Alfredo Paredes (Guitarra); Patricia Velasco (Guitarra); Sergio Durán (Bateria) e Alejandra Velasco (Teclados).


FONTE: https://www.arkanos.org/

guest
0 Comentários
Sugestões
Veja todos os comentários