AC/DC – Power Up

Como um tributo ao falecido guitarrista e fundador do AC/DC, Malcolm Young, que ele seja creditado como compositor em todas as músicas do Power Up é magnífico.

Mas o que é maior é que – mesmo com a trágica perda do homem com a mão direita mais pesada de todo o rock’n’roll em 2017 – o AC/DC fez um álbum que, mesmo para eles, é uma celebração em alta voltagem de vida, o melhor dos tempos, e o poder absolutamente indomável e ilimitado de alguns acordes e uma batida quatro-quatro.

Em uma época em que reunir-se com seus amigos e festejar, beber cerveja, trepar e curtir tudo é ilegal, como um lembrete de quão poderosa e atemporal é a própria ideia dessas coisas maravilhosas, o AC/DC nunca parecia mais necessário ou vital.

Como sempre, Power Up soa como AC/DC, mas também consegue soar como seu próprio disco. A abertura Realize é um clássico iniciante que se baseia em um riff duplo antes de Brian Johnson – reintegrado após sua saída da turnê devido a problemas de audição – guinchar seu caminho magnificamente à vista. Rejection tem um Angus Young Guitar Solo eletrizante, Shot In The Dark tem palhetada quente e um refrão massivo, Demon Fire é um stomper desprezível que parece um pouco como Whole Lotta Rosie, mas não tão rápido, Code Red corta blues pesados ​​que vê os dedos de Angus patinando em todo o seu braço, e Witch’s Spell é uma daquelas faixas do DC que está provavelmente a dois terços de uma recepção de casamento. E tudo está maravilhosamente certo.

LEIA MAIS  PHIL CAMPBELL AND THE BASTARD SONS - We're The Bastards

Nunca foi o ponto do AC/DC fazer algo “novo”, apenas fazer mais. É por isso que eles fazem isso, e é por isso que são os melhores nisso. E é por isso que os amamos. Mas, mais do que nunca, Power Up é um lembrete de que esta música tem um poder que desmente sua aparente simplicidade (e aqui não confunda isso com sendo fácil – vá para uma sala de ensaio e ouça quantos bateristas não conseguem fazer a batida do AC/DC corretamente).

O contexto e a sombra trágica de onde vem e o mundo a que chega tornam as suas odes aos bons tempos livres tão pungentes. Isso é perverso. É brincadeira. É tudo o que você deseja da música que categoricamente não “faz” triste. É apenas AC/DC sendo brilhante pra caralho. Enquanto cantavam no Rock And Roll Ain’t Noise Pollution, “Rock’n’roll não vai morrer”. Nos tempos mais sombrios, isso é importante saber e ainda melhor ouvir. Aqui está para você, Malc. Deixe os bons tempos rolarem.

AUTOR: Nick Ruskell
FONTE: https://www.kerrang.com/

DEIXE SEU COMENTÁRIO: