30 SECONDS TO MARS – This Is War, 2009

Também conhecida como “a banda do vocalista/ator Jared Leto” (ele fez o irmão mais novo de Nicolas Cage em O senhor das armas & representou Mark Chapman em Capítulo 27), o 30 Seconds To Mars me chamou a atenção com seu 2º álbum, A Beautiful Lie (2005), que para mim é uma das sessões terapêuticas mais rentáveis da história recente do rock n’ roll. Apesar do visual indie adotado pela banda, e que sempre gerou preconceito, sou um de seus defensores, porque era um álbum pesado, e valia a pena ouvi-lo, devido a vários motivos – o vocal de Jared, o peso dos instrumentos & e os solos do então guitarrista Solon Bixler (que saiu em 2003, sendo substituido por Tomo Milicevic), por exemplo.

Perto do final do ano passado, fiquei feliz em saber que sairia o tão aguardo novo álbum, This is War, pensando comigo “vem mais porrada sonora por aí”. Mas eu estava enganado… Esse atual álbum não me agradou tanto à primeira vista quanto seu antecessor. Pode ser que eu tenha ficado exigente com o tempo (rs!), mas a impressão que eu tenho é que a banda tentou fazer algo grandioso aqui (músicas longas, coral de crianças, etc), só que não tem porte para isso ainda. Resultado: uma frustrada tentativa de fazer algo industrial/progressivo (“Stranger in a atrange land”) & faixas sem evolução nenhuma (“Equinox”).

Principal crítica que eu faço ao This is War: as músicas não são dinâmicas, e têm introduções longas demais, deixando a audição cansativa. Principal exemplo disso é o 1º single, “Kings and Queens”. A faixa até que é legal, só que são quase 6min, sendo 1 só de introdução. A faixa título tem o mesmo problema, mas mesmo assim ainda dá para ouvir (mesmo com toda a gritaria de Jared por aqui quando se empolga, rs!). O engraçado é a situação ao contrário que ocorre com a balada acústica “100 Suns”, que tem menos de 2min (sério, quando você começa a curtir a música, ela acaba, rs!)

LEIA MAIS  EVANESCENCE - The Bitter Truth

Tem seus momentos. “Closer to the edge” é a que mais me empolga, talvez por ser uma faixa que guarda grande semelhança com as músicas antigas do 30STM. “A call to arms” também é muito válida, é a única onde o coral de crianças realmente se encaixa. Deixo o destaque aqui também para “Night of the hunter”, “Hurricane” (que não tem nada a ver com o clássico de Bob Dylan) & “Search & destroy”. Mas no final das contas, ainda prefiro ouvir o A Beautiful Lie.

Atualmente, o 30STM segue em turnê americana & divulgação do álbum. Em outubro de 2008, a banda tocou pela 1ª vez no país, no Tom Brasil, em São Paulo.

Autor: Victor “Montanha” Vieira

guest
0 Comentários
Sugestões
Veja todos os comentários