30 SECONDS TO MARS – HSBC Arena, RJ (27/03/2011)

De volta aos palcos brasileiros pela segunda vez (a primeira foi em 2007), o 30 Seconds To Mars veio apresentar a atual turnê, Closer to the edge, novamente em São Paulo, e pela primeira vez no Rio de Janeiro. O grupo liderado pelo também ator Jared Leto voltou a pisar no mesmo palco em que fizeram seu primeiro show por aqui: o HSBC Arena, antigo Tom Brasil, na grande São Paulo.

Nem mesmo o calor foi suficiente pra fazer com que os fãs não se aglomerassem na fila e não usassem no rosto a mesma pintura que o líder da banda costumava usar. Valia de tudo pra externar a paixão pelo trio: moicanos rosa, figurinos estampando a simbologia do grupo e até, porque não, “fantasias” inusitadas para atrair, nem que fosse por míseros segundos, a atenção de qualquer um deles.

Após um “singelo” show de abertura, às 20:30h foi a vez dos irmãos Leto (Jared e o baterista Shannon) subirem ao palco juntamente com o guitarrista Tomo Milicevic e o baixista (não oficial, diga-se de passagem) Tim Kelleher. “Escape”, do terceiro álbum da banda, embalou o início oficial do show. Trajando uma espécie de blazer azul com “franjinhas” nos ombros, Jared Leto deu início ao seu show de 1 hora de duração, mostrando desde o primeiro minuto que nem os seus –quase- quarenta anos e sua saúde debilitada são o bastante para minimizar sua incrível presença de palco e deixar a sua apresentação menos performática.

O show foi, como de costume, mesclado de músicas dos 2 últimos álbuns do trio, o que deixou a desejar para os fãs mais old school. Apesar de terem tido um gostinho de sucessos do álbum de estréia da banda como “Capricorn” e “Buddha For Mary”, (que Jared começou a tocar sozinho com seu violão mas não deu continuidade a nenhuma das duas) a ausência de músicas do primeiro álbum, auto-entitulado, foi sentida por muitos. Um dos momentos altos do show foi o quando a banda tocou um de seus maiores sucessos: “The Kill”. O hit que os apresentou para a maior parte do publico transformou o HSBC Arena em uma só voz, que se sobressaía, com louvor, à voz de Leto. Como de costume, Jared fez sua performance de rock star e se jogou no público, mostrando que realmente sabe o que faz.

O segundo momento auge do show foi a música “Kings and Queens”, quando a banda leva fãs ao palco pra cantar com eles. Cerca de 20 fãs subiram ao palco representando os milhares de outros fãs que também queriam estar lá, mas vão aguardar ansiosamente a próxima vinda da banda ao país pra também ter essa chance. E assim terminou o show: com a banda e fãs dividindo o mesmo palco e a mesma música, fazendo com que o público se sentisse, mesmo que por alguns minutos, parte do 30 Seconds to Mars.

Em terras cariocas, no Vivo Rio, depois de um pequeno atraso, algo em torno de uns 15 min, a banda entrou ao som da gritaria de fãs (adolescentes, na sua grande maioria) e da introdutória “Escape”, para emendar em “Night of the hunter”, onde verdadeiramente o show começou. O setlist foi bem parecido com o de São Paulo (praticamente o mesmo). Na sequência, “A beautiful lie” também empolgou bastante, seguida de “Attack” e “This is war” (outro destaque). Em seguida, como era de se esperar, o vocalista Jared Leto tocou a balada “100 Suns”, acompanhado apenas do violão e do acompanhamento do público. A banda retornou em “Search & destroy”, outra faixa que ficou excelente ao vivo.

Apesar de Jared não estar com sua voz nos melhores dias, por conta de um recente resfriado, o que em parte deixou a desejar, ele soube compensar isso empolgando a platéia. Sua presença de palco foi contagiante, inegável isso. E a galera presente curtiu, praticamente pulando o show inteiro, rs! Ao longo de show, Jared também papeou bastante com o público, contanto inclusive a história de que a banda quase não veio para o Rio, como foi relatado há pouco na revista Magazine, do jornal O Globo. Mas ele era só elogios para a cidade, arranhando inclusive uns ‘Copacabana’, ‘Ipanema’, ‘Leblon’ & ‘Santa Tereza’, além do já clássico ‘Obrigado’, rs!

Depois de “Search & destroy”, começou o momento acústico do show, primeiro com Shannon, que fez a platéia mais uma vez delirar, quando saiu de trás da bateria, pegou seu violão e foi para a frente do palco para tocar a instrumental “L490”. Depois apenas com Jared, que fez versões voz & violão de “From Yesterday” e “Revolve” que ficaram excelentes. Papo vai, papo vem, Jared perguntou qual queriam que fosse a próxima, foi quando o nome de “The Kill” ecoou em peso. Jared fez um breve introdução ainda ali, sozinho no palco. Foi a deixa para o resto da banda retornar, e mais uma vez fazer o Vivo Rio tremer, com a empolgação do público.

Os principais singles do atual álbum, This is war, encerraram a noite, “Closer to the edge”, “Huricane” e por fim “Kings and queens”, quando, a exemplo do que ocorreu no show de São Paulo, Jared chamou grande parte dos fãs para ficarem ali no palco com a banda. Excelente final! Excelente apresentação do 30STM, na medida certa, sem grandes atrasos injustificáveis e sem grandes demoras.

Texto: Michelle Azevedo, Victor Vieira
Fotos: G1, Diego Padilha

guest
0 Comentários
Sugestões
Veja todos os comentários